EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

"Sem sentido": Ban Ki-Moon rejeita candidatar-se à presidência da Coreia do Sul

"Sem sentido": Ban Ki-Moon rejeita candidatar-se à presidência da Coreia do Sul
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O ex-secretário-geral da ONU Ban Ki Moon anunciou que não vai candidatar-se às eleições presidenciais no seu país natal, a Coreia do Sul.

PUBLICIDADE

O ex-secretário-geral da ONU Ban Ki Moon anunciou que não vai candidatar-se às eleições presidenciais no seu país natal, a Coreia do Sul.

O político justificou a decisão esta quarta-feira, face ao que considera serem as “posições egoístas” dos partidos nacionais, após ter-se reunido com os líderes das formações conservadoras.

“Sinto-me bastante frustrado pelas posições egoístas dos círculos políticos e cheguei à conclusão que não faz sentido avançar com uma candidatura”, afirmou Ban durante uma conferência de imprensa no edifício do parlamento em Seul.

Desde o seu regresso ao país que Ban Ki-Moon é alvo de vários ataques após as acusações de corrupção imobiliária que pesam sobre o irmão e um sobrinho nos EUA.

Ban, que anunciou agora que vai abandonar a vida política, era apontado como um dos candidatos favoritos à sucessão da chefe de Estado conservadora, Park Geun-hye, destituída pelo parlamento na sequência de um escândalo de corrupção.

O ex-reponsável da ONU, que não conseguiu obter o apoio de nenhuma formação conservadora à sua candidatura, foi, entretanto, ultrapassado nas sondagens por Moon Jae-in, candidato da oposição do Partido Democrático.

A convocação de eleições antecipadas está pendente da decisão do Tribunal Constitucional de confirmar a destituição da presidente.

Os juízes deverão pronunciar-se ainda este mês, abrindo o processo de 60 dias para a convocação de um sufrágio antecipado ou mantendo a data das presidenciais quando o mandato da atual chefe de Estado expira no final do ano.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Líder do principal partido da oposição da Coreia do Sul esfaqueado no pescoço

Comissão de Veneza pede revogação de lei polémica na Geórgia

Eleições europeias: O que é que os eleitores querem e o que é que os candidatos prometem?