EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Documentos do Panamá: Presidente ucraniano nega ter violado a lei

Documentos do Panamá: Presidente ucraniano nega ter violado a lei
Direitos de autor 
De  Nelson Pereira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O presidente ucraniano, Petro Poroshenko, desmente que tenha violado a lei ucraniana ou as leis internacionais. O chefe de Estado ucraniano reagiu

PUBLICIDADE

O presidente ucraniano, Petro Poroshenko, desmente que tenha violado a lei ucraniana ou as leis internacionais.

O chefe de Estado ucraniano reagiu, através do Twitter, à notícia de que terá registado uma empresa num paraíso fiscal em 2014, no auge da guerra contra os separatistas pró-russos.

Poroshenko não nega a existência da empresa, mas afirma não ter cometido infrações à lei. No parlamento já há quem apele à destituição do presidente ucraniano.

A investigação internacional sobre os documentos desviados da firma panamiana Mossack Fonseca revelou que Petro Poroshenko registou uma empresa nas Ilhas Virgens britânicas, tendo omitido a sua existência nas declarações de rendimento.

Os documentos revelados pela investigação do Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação envolvem chefes de Estado, políticos, banqueiros e VIPs de todo o mundo num imenso esquema de corrupção com recurso a paraísos fiscais.

Trata-se da maior fuga de documentos da história, cerca de 11,5 milhões de ficheiros (2,6 terabytes de dados) desviados da base de dados da empresa de gestão de fortunas e apoio jurídico Mossack Fonseca, com sede no Panamá, uma firma de advogados que cria empresas offshore, que revelam os estratagemas usados por líderes mundiais e milionários para fugir ao fisco.

Biggest leak in the history of data journalism just went live, and it's about corruption. https://t.co/dYNjD6eIeZpic.twitter.com/638aIu8oSU

— Edward Snowden (@Snowden) April 3, 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Todos os 28 arguidos do processo de fraude fiscal "Panama Papers" foram absolvidos

Abramovich financiou Putin através de offshore em Chipre, denuncia investigação

Autarca búlgaro acusado de corrupção com fundos comunitários