Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Bachar Jaffari: "Os governos são responsáveis por cada terrorista que vem para o nosso país"

Bachar Jaffari: "Os governos são responsáveis por cada terrorista que vem para o nosso país"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Numa altura em que a oposição síria pede a suspensão das negociações sobre o processo de paz até que as armas se calem, a reação do regime de Damasco não se faz esperar.
A jornalista Faiza Garah, falou com o responsável da delegação do governo sírio em Genebra, Bachar Jaffari.

Faiza Garah, euronews:
Os senhores organizaram recentemente eleições legislativas que a oposição considera ilegais…

Bachar Jaffari: “A oposição é que não é legal. Todos os que dizem que estas eleições não são legais é porque eles próprios não são legais. Isto é apenas a opinião de uma parte da oposição e não de todas as oposições. Você sabe, quando tratamos, por exemplo com a Arábia Saudita, o que é que eles querem? Querem destruir o Estado sírio. Não procuram uma solução para a crise síria. Como viu hoje eles estão a especular, há apenas alguns minutos anunciaram que vão congelar as negociações. São como as crianças, é preciso dar-lhes bombons, para que possam trabalhar e seguir o processo político”.

e: Há muitos que dizem que a Síria não é senhora das suas decisões, porque há a intervenção da Rússia, do hezbollah e dos iranianos…

B.J: “Qualquer que seja a força, o estado, a autoridade, que nos ajude a combater o terrorisme de forma clara e coordenada com o exército sírio e com o governo sírio, é bem vinda. Quer sejam os aliados russos, os hezbollah, os iranianos. Estão todos a tentar combater o terrorismo em solo sírio com o acordo do governo sírio e a pedido do governo sírio”.

e:Qual é o papel da Europa na resolução da crise síria?

B.J “Hoje temos um novo fenómeno que é o terrorismo europeu. Antes eles pensavam que havia um terrorismo árabe e islâmico. Hoje somos vítimas do terrorismo europeu, que provém de Bruxelas, de Paris, de Londres, de Espanha, da Alemanha, da Itália”.

e: Portanto, o senhor considera que a Europa apoia o terrorismo?

B.J: “Claro, esses governos facilitaram a passagem destes terroristas para a Síria e para o Iraque. Não me quer fazer crer que um terrorista que deixa Paris, Londres, Bruxelas, Boston ou a Austrália e que chega à Síria sem visto, sem passaporte, pode atravessar dezenas de estados e a fronteira turco-síria ou jordano-síria sem que os serviços de informação vigiem as respetivas operações”.

e:
“Então, quais são os estados que acusa de terrorismo?

B.J: “Por cada terrorista que vem da Europa, o governo é responsável, quer seja francês, britânico, belga, espanhol ou italiano. São os governos os responsáveis por cada terrorista que tem vindo para o nosso país. Quando os primeiros-ministros britânico, francês ou australiano ameaçam que vão retirar a nacionalidade dos terroristas que regressem à Europa, querem dizer o quê? Querem dizer que encorajam os terroristas a ficarem na Síria e a não regressarem à Europa? Se estes estados quisessem verdadeiramente acabar com os terroristas que atuam na Síria e no Iraque, tê-los-iam impedido de sair dos respetivos países”.

e: Israel realizou uma reunião inédita em território dos Golãs. Em sua opinião porque é que a fizeram agora?

B.J: “Nós temos o apoio da resolução 497 das Nações Unidas, que data de 1981. É uma resolução que foi votada por unanimidade, o que quer dizer que os Estados Unidos, a França e a Grã-Bretanha estavam de acordo. Esta resolução é bastante importante, uma vez que recusa categoricamente a anexação dos Golãs, a sua ocupação e a imposição de legislar sobre o território ocupado nos Golãs. A resolução considera que a anexação é caduca, nula e sem fundamento legal”.