A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

México acusado de obstruir investigação ao desaparecimento de 43 estudantes

México acusado de obstruir investigação ao desaparecimento de 43 estudantes
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Mais de um ano e meio depois, permanece a incógnita sobre o destino de 42 dos 43 estudantes mexicanos que desapareceram após uma manifestação reprimida violentamente em Iguala, cerca de 170 km a sul da Cidade do México.

Um relatório com 600 páginas, da comissão internacional de Direitos do Homem, que investigou o caso, acusa o governo mexicano de ter “dificultado” o inquérito e denuncia “atos de tortura” infligidos a 17 suspeitos que estão presos e que os peritos foram impedidos de entrevistar.

O Procurador-Geral da República prefere recordar que o caso dos estudantes de “Iguala representa a investigação penal mais exaustiva da história da justiça mexicana (…) Os familiares dos estudantes e o Governo da República estão do mesmo lado e trabalham pelo mesmo objetivo: saber o que aconteceu aos jovens e castigar cada um dos responsáveis”, referiu Eber Betanzos.

Até agora, apenas os restos mortais de um estudante foram encontrados e identificados.

A versão oficial afirma que nessa fatídica noite de 26 para 27 de setembro de 2014, o autocarro em que seguiam os estudantes foi atacado por polícias corruptos que os entregaram a um cartel de droga, que os terá morto e incinerado. O relatório afirma que não há indícios da incineração de tanta gente e aponta a possibilidade de os estudantes terem inadvertidamente desviado um autocarro que serviria para transportar heroína. O mistério prossegue.