Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

"Brexit": City poderá perder até 100 mil empregos até 2020

"Brexit": City poderá perder até 100 mil empregos até 2020
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O “Brexit” poderá implicar a perda de milhares de empregos na City de Londres.

O centro financeiro londrino poderá perder em primeiro lugar a Autoridade Bancária Europeia. A União Europeia afirmou estar a ponderar a repatriação do regulador financeiro para outra cidade. O exemplo poderá ser seguido pelos grandes bancos norte-americanos, que tinham escolhido a capital britânica como porta de entrada no mercado europeu.

O JPMorgan evocou a hipótese de mudar as atividades para outra cidade europeia, através de um memorando enviado aos funcionários logo depois do referendo.

Mas mudar para onde?

Rudiger von Rosen, do Centro sino-alemão de Finanças e Economia, adianta: “A City de Londres é praticamente o maior centro bancário do Mundo. Haverá algumas mudanças da City para outros lugares. Na linha da frente, está certamente a cidade de Frankfurt”.

A cidade alemã tem um argumento de peso. Acolhe já a sede do Banco Central Europeu.

Mas por exemplo, o banco britânico HSBC parece preferir Paris. A capital francesa e o bairro da “Défense” já começaram a operação de charme. Já os argumentos fiscais podem ser favoráveis a Dublin.

No final, segundo o gabinete PricewaterhouseCoopers, até 2020, a City em Londres poderá perder entre 70 000 e 100 mil empregos.

O serviço financeiro em Londres emprega 2,2 milhões de pessoas e, em 2014, representou 190 mil milhões de libras, o equivalente a 12% do PIB do Reino Unido.

Mas as consequências do “Brexit” vão para lá do setor financeiro.

As empresas britânicas estão a congelar os investimentos, devido à incerteza de todo o processo de negociação com a UE, e a associação de empresários alerta que poderão ser congeladas também as contratações.