EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Gabão: Reeleição de Ali Bongo provoca tumultos nas ruas

Gabão: Reeleição de Ali Bongo provoca tumultos nas ruas
Direitos de autor 
De  Miguel Roque Dias com Reuters; AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Ali Bongo foi reeleito presidente. Apoiantes do Jean Ping protestam e envolvem-se em confrontos com as autoridades.

PUBLICIDADE

O Parlamento do Gabão, em Libreville, foi incendiado e os confrontos com as forças da autoridade espalharam-se um pouco por toda a capital, depois de ter sido anunciado o resultado final das eleições presidenciais, que reelegeu, para mais um mandato de sete anos, o presidente Ali Bongo Ondimba.

A oposição fala em pelo menos 3 mortos e vários feridos.

Ali Bongo tire sur le peuple à balles réelles. Nous déplorons lors de la manifestation de ce jour 3 morts et plusieurs blessés. #Gabon

— Jean Ping (@pingjean) August 31, 2016

Os resultados surgiram, após quatro dias de espera e, depois de Jean Ping, o líder da oposição, ter reivindicado a vitória.

As forças de segurança já estavam nas ruas, há dois dias, a título preventivo, aguardando a divulgação dos resultados do escrutínio que opôs Ali Bongo, o filho do ditador que governou o país por mais de quatro décadas, a Jean Ping, o antigo presidente da União Africana.

Segundo a Comissão Eleitoral, Bongo venceu com 49,80% dos votos contra os 48,23% de Ping.

No sábado, as eleições ocorreram pacificamente. Mais tarde as duas fações acusaram-se, mutuamente, de fraude eleitoral.

A missão de observadores da União Europeia criticou a “falta de transparência” das instituições que organizaram o escrutínio e afirmou que Bongo beneficiou do acesso preferencial a verbas e aos media.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Helicóptero do presidente iraniano faz "aterragem forçada", informa a imprensa estatal

Mais uma morte na Nova Caledónia. França acusa Azerbaijão de fomentar a violência no arquipélago

Centenas de refugiados começaram a atravessar a fronteira de Myanmar para a Tailândia