Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Síria no G20: Via diplomática volta a falhar entre Obama e Putin

Síria no G20: Via diplomática volta a falhar entre Obama e Putin
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os semblantes carregados de Barack Obama e Vladimir Putin revelaram a falta de entendimento relativamente à crise na Síria. Os dois líderes reuniram-se no segundo dia da cimeira do G20, após uma tentativa falhada de chegar a um acordo entre o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, e o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov.

Vladimir Putin: "Eu espero que, se chegarmos a um acordo - e acredito que isso pode vir a acontecer nos próximos dias - vamos conseguir falar sobre uma melhorar

“Tivemos algumas conversas produtivas sobre como seria uma verdadeira cessação das hostilidades. Algo que nos permitiria, tanto aos Estados Unidos como à Rússia, concentrar a atenção nos inimigos comuns, como o grupo terrorista Estado Islâmico e o Nusra, mas devido às faltas de confiança que existem, trata-se de uma negociação difícil, e ainda não colmatámos as lacunas de forma a que um acordo possa funcionar”, disse Barack Obama.

Perspetivava-se um acordo relativo ao envio de ajuda humanitária à população e a uma eventual suspensão dos bombardeamentos, tanto por parte da Rússia como da Síria, mas o aguardado desfecho não se chegou a concretizar.

Vladimir Putin acrescenta: “Eu espero que, se chegarmos a um acordo – e acredito que isso pode vir a acontecer nos próximos dias – vamos conseguir falar sobre uma melhoraria significativa e intensificar a nossa cooperação com os Estados Unidos na luta contra as organizações terroristas, incluindo aquelas que estão em atividade na Síria”.

A via diplomática volta a falhar neste conflito. Negociações difíceis entre Obama e Putin devido a faltas de confiança. Numa altura em que o Presidente dos Estados Unidos reforça que o objetivo comum deve ser a luta contra inimigos comuns – referindo-se ao grupo terrorista Estado Islâmico.