Noruega: cabeleireira julgada por recusar atender muçulmana com "hijab"

Noruega: cabeleireira julgada por recusar atender muçulmana com "hijab"
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Na Noruega, uma cabeleireira começou a ser julgada por ter recusado atender no seu salão de beleza uma mulher muçulmana que usava um “hijab”.

PUBLICIDADE

Na Noruega, uma cabeleireira começou a ser julgada por ter recusado atender no seu salão de beleza uma mulher muçulmana que usava um “hijab”. Trata-se do primeiro processo no país sobre o porte do véu islâmico.

Merete Hodne, de 47 anos, poderá receber uma pena de até seis meses de prisão por “discriminação religiosa”, depois de ter impedido a entrada a Malika Bayan no seu estabelecimento de Bryne, uma aldeia do sudoeste do país, em outubro do ano passado.

Apresentada pelos meios norugueses como uma antiga militante de movimentos islamofóbicos, Hodne disse, numa entrevista recente a uma cadeia de televisão que o “hijab” era um símbolo da “ideologia islâmica” que, para ela, significava “o Mal”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Anders Breivik perde processo contra Estado norueguês e continuará em confinamento solitário

Assassino norueguês Anders Breivik acusa Estado de violação de direitos humanos

Presidente ucraniano em ronda diplomática pelo apoio dos aliados