Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Cinema: Leão de Ouro para "The Woman who left"

Cinema: Leão de Ouro para "The Woman who left"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

“The Woman who left”, do filipino Lav Díaz, foi o vencedor do Leão de Ouro no Festival Internacional de Cinema de Veneza.

O júri desta 73.ª edição foi presidido pelo cineasta Sam Mendes e contou com a contribuição de Laurie Anderson, das atrizes Chiara Mastroianni, Gemma Arterton, Nina Hoss, e Zhao Wei, dos realizadores Joshua Oppenheimer, Lorenzo Vigas, e ainda do argumentista Giancarlo de Cataldo.

“The woman who left”, retrata a história de uma mulher falsamente acusada de um crime.

O Grande Prémio do Júri do Festival de Veneza foi para “Nocturnal animals”, a segunda longa-metragem do estilista norte-americano Tom Ford.

Um thriller romântico que conta a história de antigos amantes, com Amy Adams e Jake Gyllenhaal como protagonistas.

O Leão de Prata, pela melhor realização, foi atribuído ao mexicano Amat Escalante, por “El región selvaje”, sobre a vida sexual de uma criatura extraterrestre, e ao veterano russo Andrei Konchalovsky, por “Paradise”, um drama sobre o Holocausto.

Numa das competições paralelas, o ator português Nuno Lopes foi distinguido pelo júri da secção Orizzonti, com o Prémio Especial de Melhor Ator, pelo desempenho no filme “São Jorge”, de Marco Martins.

“São Jorge” tem estreia marcada, nas salas portuguesas para 3 de setembro e retrata a realidade da austeridade que o país tem vindo a atravessar nos últimos anos.

Na competição oficial, a norte-americana Emma Stone recebeu o prémio de melhor atriz pelo desempenho em “La La Land”. Uma comédia musical escrita e realizada por Damien Chazelle.

O prémio de melhor ator foi atribuído ao argentino Oscar Martínez, protagonista de “El ciudadano ilustre”, de Maria Eugenia Sueiro.

Neste último dia do Festival, destaque ainda para a projeção – fora da competição – de “A jamais”, do francês Benoît Jacquot.

Trata-se de uma coprodução portuguesa, de Paulo Branco, rodada integralmente em Portugal.