Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Terão as tensões raciais nos EUA consequências nas presidenciais?

Terão as tensões raciais nos EUA consequências nas presidenciais?
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A morte de Keith Lamont Scott, alvejado na terça-feira por um polícia, em Charlotte, nos Estados Unidos, veio reacender e até agravar as tensões raciais entre norte-americanos e envolvendo as forças de segurança.

Com a campanha política em curso, este problema que envolve muitos eleitores pode ter consequências nas presidenciais e ganhar ainda mais peso na segunda-feira, durante o primeiro debate entre os dois candidatos à sucessão de Barack Obama.

Em Washington, a acompanhar bem de perto todos os desenvolvimentos em torno da campanha presidencial, temos Stefan Grobe. Eis a análise da situação pelo correspondente da euronews na capital dos Estados Unidos:

“A menos de 50 dias das eleições nos Estados Unidos, as atenções dos norte-americanos voltam-se uma vez mais para uma temática política sensível: questões de raça, policiamento e crimes urbanos. Os ingredientes são quase sempre os mesmos. “Polícias autoritários ou muito nervosos focam-se em indivíduos que acabam por ter o azar de estar no sítio errado à hora errada. E que por acaso são negros. “Há outro fenómeno em repetição: é que estes incidentes raramente chegam aos tribunais. É aqui que a dimensão política destes casos entra em jogo. “Propostas legislativas para, pelo menos, se mudar o quadro legal não levaram a lado nenhum. Parece não haver urgência para resolver este problema. “Sem surpresa, os candidatos presidenciais revelaram ideias opostas, mas mesmo assim vagas, sobre esta crise. Hillary Clinton e Donald Trump vão ter, ainda assim, a oportunidade de serem mais concretos durante o primeiro debate, marcado para esta segunda-feira.”

(Temos mais dois nomes a acrescentar à longa lista de afro-americanos mortos por polícias.
É insuportável e precisa de se tornar intolerável.)
(As situações em Tulsa e Charlotte são trágicas.
Temos de nos juntar para fazer a América segura de novo.)