Última hora

Última hora

Acordo da OPEP recebido com ceticismo pelos analistas

Acordo da OPEP recebido com ceticismo pelos analistas
Tamanho do texto Aa Aa

Os preços do petróleo aliviaram esta quinta-feira depois da subida da véspera, após o acordo alcançado na reunião informal da Organização dos Países Produtores de Petróleo (OPEP) para reduzir a produção. Os investidores receiam, porém, que não seja suficiente para reequilibrar um mercado mundial sobrecarregado por um excesso de oferta.

A cotação do petróleo em Londres baixou esta quinta-feira 1,1% para 48,16 dólares por barril, depois de na véspera ter registado a maior subida desde abril num só dia, 5,9%.

Os países membros da OPEP concordaram baixar o volume de extração de 33 milhões para 32,5 milhões de barris de petróleo por dia. O acordo é o primeiro deste tipo desde 2008 e a organização anunciou-o como um primeiro passo no sentido de reequilibrar o mercado.

“Precisávamos de acelerar o processo de reequilíbrio através da partilha da carga que o ajustamento da produção implica, e os países da OPEP, assim como os países produtores que não estão na OPEP, já manifestaram a intenção de cooperar”, disse o presidente da OPEP, o ministro da Energia do Qatar, Mohammed bin Saleh al-Sada.

Os investidores regiram com alguma reserva, lembrando que o impacto do acordo nos preços vai depender de qual será a distribuição por país das novas quotas e do seu cumprimento por parte dos países produtores. Permanece uma incógnita qual será a resposta dos países produtores que não pertencem à OPEP, principalmente a Rússia

Os cortes por país devem ser discutidos no próximo encontro formal da OPEP em novembro, no qual os países que não integram a organização serão convidados a associar-se à medida.

Este mês foram produzidos 800 mil barris diários em excesso, com a Rússia a extrair a níveis máximos de 11,09 milhões de barris por dia.