EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Crise política em Espanha: Líder do PSOE ameaça demitir-se

Crise política em Espanha: Líder do PSOE ameaça demitir-se
Direitos de autor 
De  Francisco Marques com LUSA, EFE, EL MUNDO, EL PAIS
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Principal partido da oposição reúne "comité federal", Pedro Sanchez exige apoio no bloqueio a Mariano Rajoy, mas críticos do secretário-geral já falam em alternativas de liderança.

PUBLICIDADE

Ou o Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) se mantém firme na posição de bloqueio à formação de governo por Mariano Rajoy (Partido Popular, PP) ou o líder Pedro Sanchez bate com a porta e obriga o PSOE a eleger à pressa um novo líder. A ameaça foi feita na véspera da reunião deste fim de semana do “comité federal”, o órgão máximo dos socialistas, juntando mais de 270 delegados e com mais poder que o próprio secretário-geral.

ÚLTIMA HORA | Pedro Sánchez sugiere que dimitirá si el comité federal del PSOE “decidiera pasar a la abstención” https://t.co/aB1dzQPDUH

— EL PAÍS (@el_pais) 30 de setembro de 2016

O plano de Pedro Sanchez passa por convencer o “comité federal” a manter-se contra a formação de governo por Rajoy, a marcar eleições primárias já para 23 de outubro e um congresso extraordinário para 12 e 13 de novembro. Com isto, o secretário-geral do partido espera ser reeleito, prolongar o mandato como principal líder da oposição e aspirar à eleição para Presidente do Governo.

A estratégia choca com a opinião de alguns críticos de Sanchez, que defendem a entrega pelo “comité federal” da liderança do partido a uma comissão gestora e a marcação de um congresso ordinário para depois da formação de foverno de Espanha.

*(imagem jornal ABC)*A Espanha vive desde 26 de outubro do ano passado com um governo interino ou em mero cumprimento de funções. É uma crise política que dura há mais de 300 dias, com duas eleições legislativas inconsequentes. O Partido Popular tem sido o mais votado, mas sem resultados suficientes para formar um governo com maioria no parlamento. Todas as tentativas de alianças têm falhado. Sanchez recusa-se viver mais quatro anos com Rajoy à frente do governo, mas o PSOE começa a sofrer brechas e o líder socialista está na corda bamba.

“Se o comité federal do partido socialista decidir mudar a sua posição e passar à abstenção, como é óbvio não posso gerir uma decisão que não partilho. Se há algo que os meus pais me ensinaram, é que as únicas coisas que tenho e que devo preservar são a minha palavra e as minhas convicções”, afirmou Pedro Sanchez, colocando pressão sobre o “comité federal.”

Na quarta-feira, 17 membros demitiram-se da direção de Pedro Sanchez. Sobram 15 na direção e cerca de 275 no “comité federal”, que é liderado pela andaluza Veronica Pérez, autoproclamada quinta-feira como máxima autoridade no PSOE. Entretanto, a presidente da Junta da Andaluzia, Susana Diaz, ganha protagonismo.

Como a mi compañero Patxi, me duele el PSOE</a>. <a href="https://t.co/XZIxQvBaNp">https://t.co/XZIxQvBaNp</a></p>&mdash; Susana Díaz Pacheco (susanadiaz) 30 de setembro de 2016

“Porque é que o PSOE não é ganhador? E porque é que sempre que fomos às urnas nos últimos dois anos, os resultados foram cada vez piores? Temos de refletir nisto e onde é que o podemos fazer? No congresso do partido, claro”, afirmou Susana Diaz, um dos nomes que poderá surgir para ocupar a eventual vaga de Sanchez.

Crise no PSOE após a renúncia de 17 membros da executiva e a recusa de Pedro Sánchez a renunciar https://t.co/XTdLpjoLcz

— Antonio Luiz MCCosta (@ALuizCosta) 29 de setembro de 2016

A assistir por fora está o Presidente do Governo espanhol em funções. Mariano Rajoy assistiu esta sexta-feira, no Porto, em Portugal, à abertura da exposição das obras do catalão Joan Miró, em Serralves.

O agora líder interino espanhol não abordou a crise do PSOE, mas não a estará certamente a ignorar. Se o PSOE baixar armas, Rajoy poderá voltar a tentar formar governo. Se tal não acontecer até 31 de outubro, o Rei Felipe VI terá de marcar novas eleições. As terceiras em Espanha só no último ano.

Llegada a #Portugal, país hermano, querido y admirado. En breve inauguramos una exposición de Joan Miró en el Museo Serralves pic.twitter.com/BOyfJbn4NG

— Mariano Rajoy Brey (@marianorajoy) 30 de setembro de 2016

Exposición “Joan Miró: Materialidad y Metamorfosis”, ejemplo de vanguardia, libertad y rica tradición pictórica española. Un orgullo pic.twitter.com/JkRVc9tziS

— Mariano Rajoy Brey (@marianorajoy) 30 de setembro de 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Socialistas espanhóis à beira da implosão

O que está por trás da última polémica de Milei com o governo espanhol?

Espanha recusou autorização para escala a navio que transportava armas para Israel