Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Hungria: Bruxelas diz respeitar vontade de quem votou e de quem não votou

Hungria: Bruxelas diz respeitar vontade de quem votou e de quem não votou
Tamanho do texto Aa Aa

Bruxelas já reagiu ao resultado do referendo húngaro. O braço-de-ferro iniciado por Viktor Orban, contra a comissão europeia e as regras comunitárias sobre a partilha de refugiados, acabou por sagra-se num “resultado inválido” – devido à fraca participação – o que não parece desmotivar o primeiro-ministro húngaro.

De Bruxelas vem, contudo, o aviso, pela boca do porta-voz, Margaritis Schinas: “Respeitamos a vontade democrática do povo húngaro: tanto a de quem votou como a de quem não votou. Acreditamos que cabe ao governo húngaro decidir como lidar com o resultado do referendo.”

Com 3,2 milhões de húngaros (num eleitorado de 8,3 milhões) a expressarem-se contra a relocalização de refugiados, Viktor Orban sai, contudo, reforçado, segundo alguns analistas, e vai continuar a surfar a onda da imigração.

Um “jogo perigoso”, afirmou no próprio domingo o presidente do Parlamento Europeu.

Martin Schulz explicou: “A Hungria só vai acolher, segundo as quotas de refugiados, cerca de 2000. Organizar um referendo sobre isso é um jogo perigoso”.