EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Ataque aéreo contra funeral provoca centenas de mortos no Iémen

Ataque aéreo contra funeral provoca centenas de mortos no Iémen
Direitos de autor 
De  Euronews com REUTERS, LUSA, SABA NEWS, OCHA
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O auto empossado governo "huthi" respinsabiliza a coligação liderada pela Arábia saudita, mas a aliança árabe nega qualquer envolvimento neste bombardeamento.

PUBLICIDADE

Um ataque aéreo na capital do Iémen provocou este sábado “mais de 140 mortos” e pelo menos 525 feridos, adiantou o gabinete local de coordenação humanitária das Nações Unidas (OCHA Yemen), citando fontes médicas oficiais em Sanaa. O número de vítimas torna este num dos mais graves ataques dos 20 meses de conflito civil naquele país.

Shock and outrage. Humanitarian Coordinator #Yemen condemns horrific attack on funeral #Sanaa. 140 killed and 525+ injured so far. pic.twitter.com/42Rx1TqlR0

— OCHA Yemen (@OCHAYemen) 8 de outubro de 2016

A agência de notícias local, a Saba News, colocou entretanto o balanço nos 450 mortos, citando informação veiculada pelo subsecretário do ministro da Saúde do auto empossado governo “huthi”, Abdulsalam al-Madani. O jornal Yemen Post relata pelo menos quatro passagens dos aviões agressores pelo local.

#Breaking VIDEO: Watch 2nd of 4 Saudi airstrikes that attacked funeral hall in #Yemen capital #Sanaa today killing/injuring 700+ civilians. pic.twitter.com/T5pFxmMmm0

— Yemen Post Newspaper (@YemenPostNews) 8 de outubro de 2016

O alvo do ataque foi o funeral do pai do ministro do Interior “huthi” Jalal al-Roweishan. Uma multidão de pessoas, incluindo diversas personalidades locais e militares, participava nas cerimónias fúnebres.

O ministro da Saúde em funções no regime “huthi”, Ghazi Ismail, responsabilizou a coligação liderada pela Arábia Saudita, que tem vindo a operar no Iémen, na tentativa de devolver o poder ao Presidente Mansour Hadi, deposto em março do ano passado pelos rebeldes xiitas “huthis”, que contam com o apoio do Irão.

A coligação árabe negou, no entanto, qualquer envolvimento neste ataque e garante que “no passado evitou este tipo de ajuntamentos”, os quais “nunca foram colocados como alvo.”

Coalition spokesperson Maj. Gen. Asiri comments to Arab_News</a> regarding <a href="https://twitter.com/hashtag/Yemen?src=hash">#Yemen</a> funeral strike <a href="https://t.co/2wKZlT9zQW">https://t.co/2wKZlT9zQW</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/Saudi?src=hash">#Saudi</a></p>&mdash; Arab News (Arab_News) 8 de outubro de 2016

“A coligação a par das notícias (que a colocam como responsável) e está certa de que é possível que outras causas para este bombardeamento devem ser consideradas”, referiu o major general Ahmed Asiri, porta-voz da aliança liderada pelos sauditas, citado pela agência Arab News.

Uma testemunha identificada como Salim Hadwan contou que “os aviões atacaram duas vezes enquanto decorria o velório” e, embora desconhecesse o número de vítimas garantia haver “muitos mortos.”

#Breaking Day of MASSACRES: 405 civilians killed & 320 injured in #Yemen today by Saudi airstrikes & missiles attacking capital #Sanaa now. pic.twitter.com/fzzecFV5BB

— Yemen Post Newspaper (@YemenPostNews) 8 de outubro de 2016

We're mobilizing to support health facilities deal with the influx of dead and wounded. 300 body bags & medical supplies on the way #Sana'a

— ICRC Yemen (@ICRC_ye) 8 de outubro de 2016

All parties must respect #humanrights law and #IHL, protect civilians and civilian infrastructures #Sanaa#Yemen#Yemencrisispic.twitter.com/UfEZnzOdwE

— OCHA Yemen (@OCHAYemen) 8 de outubro de 2016

UNICEF has just sent 2 trucks of emergency medical supplies to #Sanaa hospitals coping with victims of the attack on the funeral hall today.

— UNICEF Yemen (@UNICEF_Yemen) 8 de outubro de 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Iémen: Uma guerra esquecida

ONU confirma a detenção de 11 funcionários no Iémen

Mísseis houthis atingem petroleiro no Mar Vermelho. Drone americano abatido