Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Navio norte-americano alvejado de novo com mísseis ao largo do Iémen

Navio norte-americano alvejado de novo com mísseis ao largo do Iémen
Tamanho do texto Aa Aa

O navio de guerra norte-americano USS Mason voltou a ser alvejado esta quarta-feira a partir do território no Iémen controlado pelos rebeldes xiitas “huthis”, revelaram fontes do Pentágono.

Nós iremos responder a esta ameaça no tempo e na forma apropriadas.

Peter Cook Departamento de Defesa EUA

Foi o segundo incidente do género em quatro dias. Tal como no domingo, dois mísseis voltaram a ser disparados, esta quarta-feira, por volta das 18:00 horas locais (menos duas horas em Lisboa). Uma vez o navio norte-americano teve de adotar medidas defensivas e não foi atingido, mas não ficou claro se pela ação das medidas defensivas ou porque os projéteis falharam o alvo.

Em comunicado, o porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, Peter Cook,avisou: “Aqueles que ameaçam as nossas forças devem ter ciente que os comandantes norte-americanos detêm o direito de defender os respetivos navios e nós iremos responder a esta ameaça no tempo e na forma apropriadas.”

No ataque de domingo, o Pentágono suspeita terem sido usados dois mísseis C-802, de fabrico chinês e providenciados aos rebeldes “huthis” pelo Irão. Esses dois primeiros mísseis também foram disparados desde o sul do Iémen e foram intercetados por outros dois mísseis defensivos SM-2 e por um míssil “Seasparrow” evoluído (ESSM).

Ambos os casos envolvendo o navio USS Mason acontecem após o ataque aéreo de sábado sobre um funeral “huthi” em Sana, capital do Iémen, no qual morreram mais de 140 pessoas e centenas ficaram feridas.

Este sangrento ataque foi apontado pelos “huthis” à coligação liderada pela Arábia Saudita, que desmentiu qualquer envolvimento no raide. Ainda assim, Washington anunciou a reavaliação do apoio que tem vindo a dar à aliança árabe no Iémen.