EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Mais um passo na luta contra as alterações climáticas

Mais um passo na luta contra as alterações climáticas
Direitos de autor 
De  Nara Madeira com LUSA
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Mais de 150 países estiveram reunidos no Ruanda para tentar dar mais um passo na luta contra as mudanças climáticas e conseguiram.

PUBLICIDADE

Mais de 150 países estiveram reunidos no Ruanda para tentar dar mais um passo na luta contra as mudanças climáticas e conseguiram. Chegaram a um acordo sobre a redução, faseada, dos gases com efeito de estufa usados em frigoríficos e ares condicionados. Gases fortemente nocivos para o ambiente, porque são 10 mil vezes mais potentes que o dióxido de carbono:

“Conseguimos aquilo para que viemos aqui. Este é um acordo histórico e vai trazer mais força, depois de Paris e para Marraquexe, no próximo mês. Vamos ter, de facto, a oportunidade de resolver o problema das alterações climáticas”, afirmou Durwood Zaelke, presidente do Institute for Governance and Sustainable Development.

Countries agree to curb powerful greenhouse gases in largest #climate breakthrough since #ParisAgreementhttps://t.co/vHr5FTfarO#HFCspic.twitter.com/sqHAghtpgE

— UN Climate Action (@UNFCCC) 15 de outubro de 2016

Chamam-se hidrofluorocarbonetos e foram introduzidos nos anos 90, do século passado, para substituir químicos utilizados e que causavam erosão na camada de ozono. Mas acabaram por revelar-se catastróficos para o aquecimento global.

O acordo aqui alcançado, e que prevê a redução faseada, em termos globais, pode eliminar até meio grau o aquecimento até ao final do século.

Historical agreement on #HFCs reached in Kigali https://t.co/0IAw433Pm2 we are going to walk away w/ about 90% of warming out CCACoalition</a> <a href="https://t.co/MSLUMOF4oZ">pic.twitter.com/MSLUMOF4oZ</a></p>&mdash; Yekbun Gurgoz (YGurgoz) 15 de outubro de 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

OMS: 92% da população mundial respira ar demasiado poluído

Aquecimento global: 2016 bate recordes

Adesão da Ucrânia à UE: "caminho longo" mas "determinação inabalável", garante Bruxelas