A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Maia e Guida: reformadas do circo num santuário para elefantes

Maia e Guida: reformadas do circo num santuário para elefantes
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Mato Grosso, no Brasil, acolhe, no único santuário da América Latina para elefantes, os dois primeiros residentes: Maia e Guida.

O objetivo dos santuários é dar uma nova vida aos elefantes, dar-lhes espaço para recuperarem, para prosperarem.

Scott Blais Diretor do Global Sanctuary for Elephants

Aos 40 anos e habituados a uma vida de circo, os dois elefantes asiáticos vivem agora livres, em mais de 1100 hectares de floresta, colinas, pastagens, rochedos e ribeiros.

Após vários anos de planificação, Scott Blais e a mulher mudaram-se dos Estados Unidos para o Brasil, há dois anos, para criarem este santuário.

O americano já tinha criado outro no Tennessee, Estados Unidos, em 1995.

“O objetivo dos santuários é dar uma nova vida aos elefantes, dar-lhes espaço para recuperarem, para prosperarem. É honrar as necessidades básicas, a natureza das espécies e permitir-lhes o desenvolvimento de um futuro próprio”, explica Blais.

O Brasil foi escolhido para a criação deste primeiro santuário, antes de mais, devido à variedade de terrenos disponíveis e à necessidade de salvar elefantes do país, mas também da Argentina, Chile ou Venezuela, por exemplo.

Blais, diretor do Global Sanctuary for Elephants – sediado nos Estados Unidos, comprou este terreno, na Chapada dos Guimarães, com parceiros locais. Uma terra perfeita, diz Junia Machado, a presidente do Santuário:

“Esta área que a gente escolheu tem tudo o que os elefantes necessitam: tem aclives e declives para eles puderem se exercitar, para sararem dos efeitos do cativeiro; tem muita vegetação, e a vegetação é muito variada. Como aqui era uma fazenda de gado há mais de 100 anos, existem pastos plantados e pastos nativos e os elefantes adoram pastar nas duas espécies.”

Estima-se que, só na América do Sul, haja mais de 50 elefantes em fim de vida “ativa” em circos.

Incapazes de viver de forma selvagem, após décadas de cativeiro, necessitam de santuários e de acompanhamento veterinário.

Para além do Brasil, os paquidermes têm santuários igualmente nos Estados Unidos, na Tailândia e na Malásia.

Na natureza, a ameaça da espécie é cada vez maior: Na Ásia, as terras escasseiam; em África, são caçados ilegalmente por causa do marfim. Segundo um recenseamento, em África, entre 2007 e 2014, registou-se uma queda de 30% na população de elefantes.

Cada vez mais países e estados proíbem o uso de animais em circos e, no santuário de Mato Grosso, Maia e Guida também não estarão expostos ao público.

As visitas do santuário são proibidas: apenas as câmaras de vigilância permitem, à distância, a observações dos paquidermes.