Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Islândia: Piratas triplicam votos, devem ficar fora de coligação de Governo

Islândia: Piratas triplicam votos, devem ficar fora de coligação de Governo
Tamanho do texto Aa Aa

Com Reuters

O partido dos Piratas conseguiu piores resultados do que o esperado nas eleições legislativas anticipadas deste domingo na Islândia, apesar de ter aumentado o número de votos.

Os resultados deixam adivinhar a improbabilidade de que o Piratar venha a fazer parte de qualquer coligação governamental, ao ser a terceira força mais votada.

Uma sondagem publicada este sábado por uma empresa islandesa de estudos de mercado e de opinião e citada pela Euronews indicava um aumento nas intenções de voto, colocando o Partido dos Piratas em segundo lugar, depois do Partido da Independência (centro-direita).

Embora as eleições anticipadas se adivinhassem como um voto de castigo contra o primeiro-ministro, acusado de ligações ao escândalo financeiro conhecido como Panama Papers, um dos partidos parte da coligação até agora no Governo foi o mais votado – o Partido da Independência.
Os piratas, entre hackers, ativistas e um poeta
Com uma base eclética composta por hackers, ativistas sociais e liderados por um poeta islandês, o Piratar triplicou o número de votos em relação às legislativas de 2013.


Tanto os conservadores do Partido da Independência como os anti-sistema do Partido Pirata já disseram que não formarão uma coligação.

Com a contagem feita sobre mais de um terço dos votos, o Partido da Independência consegue 30,6%, o Partido da Esquerda Verde consegue 16% e o Partido Pirata13,3% dos votos.
Os Papéis do Panamá e as eleições islandesas
O Partido Progressista do até então primeiro-ministro Sigmundur David Gunnlaugsson sofreu um duro golpe ao terem sido revelados os documentos conhecidos como os Papéis do Panamá, que ligavam a família do chefe de Governo islandês com milhões de euros em dívida de bancos islandeses falidos, existentes numa offshore.

No entanto, depois de conhecida a totalidade dos resultados, e como é hábito nas democracias nórdicas, esperam-se agora dias de negociação entre as diferentes forças políticas para a formação de um mais que provável Executivo de coligação.

É ainda demasiado cedo para saber-se que partidos poderão vir a fazer parte do novo Governo.