EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

A corrupção está a aumentar na Europa e Ásia Central?

A corrupção está a aumentar na Europa e Ásia Central?
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Pagar subornos à polícia e aos funcionários públicos é uma prática generalizada em, pelo menos três países da União Europeia, segundo o novo Barómetro da Transparência…

PUBLICIDADE

Pagar subornos à polícia e aos funcionários públicos é uma prática generalizada em, pelo menos três países da União Europeia, segundo o novo Barómetro da Transparência Internacional.

O documento, publicado esta quarta-(feira 16 novembro), analisa a perceção da corrupção em 42 países da Europa e da Ásia Central.

Cerca de um terço dos inquiridos na Roménia, diz ter pagado dinheiro para ter acesso aos serviços públicos, no ano passado.

Aproximadamente, um quarto dos inquiridos deu a mesma resposta na Lituânia, tal como aconteceu com uma em cada em cinco pessoas na Hungria.

Segundo a Transparência Internacional, o fracasso dos Governos em lidar com a corrupção ajuda a explicar o aumento dos movimentos populistas e nacionalistas, no velho continente.

EU states and corruption

Click the column headers to re-sort the table.

Source: Transparency International. No data for Austria, Denmark, Finland, Ireland, Luxembourg and Malta.

“A Europa assistiu a um aumento nos últimos anos do apoio aos movimentos populistas e nacionalistas, em Espanha, Reino Unido e Turquia”, afirmam os ativistas no relatório.

“As razões são múltiplas e complexas. São impulsionadas, em grande parte, pela crença de que as instituições democráticas tradicionais – Governos e partidos políticos – estão a falhar no cumprimento das promessas de prosperidade e igualdade de oportunidades e, por isso, não são de confiança.”

“A corrupção é central nessa história – tanto o fracasso dos Governos em lidar corretamente com a corrupção como a sua cumplicidade em esquemas corruptos ou” clientelistas “.

“Tornou-se impossível ignorar a corrupção sistémica na forma como os negócios influenciam a política, como revelado no caso em julgamento de 37 executivos e políticos em Espanha alegadamente envolvidos num esquema de contrapartidas por contratos durante cerca de uma década.”

O mediatismo do caso pode ser uma das explicações pelas quais 80% dos espanhóis consideram que os esforços do Governo no combate à corrupção são muito maus. Um resultado muito acima dos 50% da média dos países da União Europeia. Em Portugal são apenas 37%.

No leste europeu, os números sobem para 86% na Ucrânia, 84% na Moldávia e 83% na Bósnia Herzegovina.

No outro extremo da escala, apenas 28% dos inquiridos na Suécia e na Suíça acreditam que as autoridades não estão a conseguir combater o problema da corrupção.

“Nos países da União Europeia, muitos cidadãos veem como os mais ricos e os governantes distorcem o sistema a seu favor”, disse José Ugaz, presidente da Transparência Internacional.

Em Portugal, 80% dos portugueses consideram que o Estado sofre influências indevidas de pessoas com grande poder económico.

PUBLICIDADE

“Os Governos simplesmente não estão a fazer o suficiente para combater a corrupção, pois os indivíduos do topo estão a beneficiar-se”, continua Ugaz.

O presidente da Transparência Internacional vai mais longe e afirma que “para acabar com essa relação, profundamente preocupante, entre a riqueza, o poder e a corrupção, os Governos devem exigir níveis mais altos de transparência, inclusive àqueles que controlam as empresas, através dos registos públicos de propriedade.”

Para elaborar o relatório, a organização ouviu 60 mil pessoas. Os inquéritos foram realizados em janeiro de 2016 em 42 países da Europa e Ásia Central, de Portugal ao Cazaquistão, incluindo a Rússia.

!function(e,t,n,s){var i=“InfogramEmbeds”,o=e.getElementsByTagName(t),d=o0,a=/^http:/.test(e.location)?“http:”:“https:”;if(/^/{2}/.test(s)&&(s=a+s),window[i]&&window[i].initialized)window[i].process&&window[i].process();else if(!e.getElementById(n)){var r=e.createElement(t);r.async=1,r.id=n,r.src=s,d.parentNode.insertBefore(r,d)}}(document,“script”,“infogram-async”,”//e.infogr.am/js/dist/embed-loader-min.js”);

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Reino Unido procura reconstruir as relações com a Europa

Boicote a Budapeste: oposição húngara diz que ninguém se quer sentar à mesa com Orbán

A reeleição de Trump poderá afetar a economia europeia em 150 mil milhões de euros