Itália: Julgamento de traficante de migrantes abalado por dúvidas sobre identidade do réu

Itália: Julgamento de traficante de migrantes abalado por dúvidas sobre identidade do réu
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O homem que está a ser julgado em Itália como o maior traficante de migrantes da Europa poderá não ser o suspeito procurado pela polícia.

PUBLICIDADE

O homem que está a ser julgado em Itália como o maior traficante de migrantes da Europa poderá não ser o suspeito procurado pela polícia.

O advogado do indivíduo evocou as dúvidas sobre a identidade do réu durante uma nova audiência do julgamento em Palermo, na Sicília.

Segundo o jornal The Guardian, o verdadeiro traficante, natural da Eritreia, teria indicado na sua conta Facebook que se encontra a monte.

Para o advogado de Defesa, Michele Calantropo:

“A acusação baseia os argumentos na consulta do telemóvel que foi confiscado ao meu clinte, pois fez uma chamada para um número utilizado pelos traficantes. O meu cliente nunca negou ter ligado para este número. Qualquer pessoa que perceba os procedimentos dos migrantes, sabe que os membros da família e os amigos têm o número dos traficantes para ligar-lhes para garantir que o migrante continua vivo”.

O advogado sublinha ainda, “Temos testemunhas e documentos que provam que a pessoa que está a ser julgada não é Medhane Yehdego Mered, mas uma pobre criatura, Medhanie Tesfamariam Berhe, que é um refugiado como todos os outros”.

O julgamento na Sicília foi entretanto suspenso por uma semana para analisar as novas provas.

O homem no banco dos réus, que seria apenas mais um refugiado, é acusado de ter organizado o transporte de migrantes que terminou com um naufrágio, em 2013, que provocou centenas de mortes.

As dúvidas sobre a sua identidade põem em causa a atuação das autoridades britânicas, a justiça italiana e a polícia sudanesa, que permitiram a extradição do suspeito para Itália em Junho.

Até agora, durante o julgamento em Palermo, os procuradores não conseguiram apresentar qualquer testemunho contra o suspeito presente, nem clarificar como é que as fotografias do traficante não correspondem ao aspeto do homem atualmente sentado no banco dos réus.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mil italianos assinam manifesto para que Draghi seja presidente da Comissão Europeia

Itália prepara-se para negociar com Bruxelas termos da trajetória do ajuste fiscal

Morreu o estilista Roberto Cavalli aos 83 anos