Deixar Mossul, a difícil situação dos deslocados

Deixar Mossul, a difícil situação dos deslocados
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Mais de 100 mil pessoas fugiram de Mossul desde a ofensiva de 17 de outubro, quando o exército iraquiano tentou libertar a cidade das mãos do autoproclamado Estado…

PUBLICIDADE

Mais de 100 mil pessoas fugiram de Mossul desde a ofensiva de 17 de outubro, quando o exército iraquiano tentou libertar a cidade das mãos do autoproclamado Estado Islâmico.

Os números foram avançados pela ACNUR, Agência da ONU para Refugiados.

Com a chegada do inverno, os deslocados enfrentam condições difíceis nos campos de acolhimento.

Ao de Al-Khazir, a este de Mossul, chegaram perto de 8 mil famílias só no último mês.

A eletricidade está disponível apenas quatro horas por dia.
Muitos queixam-se do frio e da falta de ajuda.

Ahmed Khulauif Mohammed, de 49 anos, vive com a mulher e os quatro filhos numa tenda onde, diz, não há gás para se aquecerem: “Estamos a sofrer com a falta de gás. É inverno. O gás é a maior necessidade nesta altura, sobretudo aqui, nestas tendas. Há dois dias que chove e faz frio”.

Omar Marwan, de 29 anos, explica como é feita a distribuição de comida: “Acabei de chegar ao campo. A organização distribui ajuda com cartões de refeição. Muitos deslocados, que chegaram antes, já receberam ajuda. Eles distribuem os alimentos de acordo com a última data no cartão”.

No campo de Qayyarah-Jadah, que acolhe cerca de 200 famílias, as rações são distribuidas uma vez por mês, pelo Programa Alimentar Mundial. As famílias dizem que é pouco.

“Dão comida para um mês e não chega. É suficiente para três ou quatro pessoas, mas não para as famílias grandes”, afirma o porta-voz da organização humanitária “Mercy Hands”.

Um deslocado diz: “Esta quantidade de comida não chega. Só dá para três pessoas. Não há gás e estamos no inverno. Uma botija de gás dá apenas para dois dias, não dá para todo o mês”.

A 22 de dezembro o exército iraquiano lançou com recurso a aviões quatro milhões de cartas com mensagens de conforto e solidariedade para todos os que ainda se encontram presos em Mossul.

A ONU estima que cerca de um milhão vive em áreas onde a assistência humanitária não consegue chegar.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Iraque: Incêndio num casamento faz mais de uma centena de mortos entre eles os noivos

Lampedusa está sobrecarregada depois de receber mais de 1000 migrantes em 24 horas

Finlândia prolonga indefinidamente encerramento da fronteira com a Rússia