EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

"Penelopegate": Fillon resiste a pressões para que abandone a corrida às presidenciais

"Penelopegate": Fillon resiste a pressões para que abandone a corrida às presidenciais
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O candidato de direita às presidenciais francesas rejeita ceder ao escândalo de empregos fictícios que abala a sua campanha.

PUBLICIDADE

O candidato de direita às presidenciais francesas rejeita ceder ao escândalo de empregos fictícios que abala a sua campanha.

Segundo uma sondagem publicada esta manhã, 69% dos franceses pensam que François Fillon deveria abandonar a corrida, embora 50% do eleitorado de direita continue a apoiar o ex-primeiro-ministro.

31% des Fr., 50% des sympathisants de Droite &centre, 58% ceux @lesRepublicains favorables au maintien de la candidature @FrancoisFillonpic.twitter.com/KjNQ9lMwuk

— Harris Interactive (@harrisint_fr) February 2, 2017

O candidato continua, no entanto, a denunciar o que considera ser uma “campanha bem organizada” de calúnias”, tendo apelado aos militantes para que aguardem até ao final do inquérito em curso.

Ontem a cúpula da formação Les Republicains tinha renovado o seu apoio a Fillon, após uma reunião extraordinária em Paris.

As novas sondagens revelam, no entanto, uma queda acentuada da popularidade do conservador que, pela primeira vez, é dado como derrotado logo à primeira volta do escrutínio de maio.

Dentro do partido há quem defenda já a substituição do candidato:

“Penso que as primárias estão caducas face a este acontecimento imprevisível”, afirma um deputado conservador.

Um grupo de deputados pediu mesmo a Alain Juppé, o rival de Fillon nas primárias, que retome a candidatura às presidenciais.

Na origem do escândalo está o jornal francês Le Canard Enchaine, segundo o qual a mulher e os filhos de Fillon teriam recebido mais de 900 mil euros em salários durante 15 anos, enquanto assistentes parlamentares.

O canal público francês descobriu entretanto uma declaração da esposa de Fillon, datada de há dez anos, na qual Penelope garante nunca ter trabalhado no parlamento.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

França: Extrema-direita com forte avanço em todas as sondagens

Macron pede que antissemitismo seja discutido nas escolas após violação de uma jovem judia

Líder da extrema-direita opõe-se ao envio de tropas francesas para a Ucrânia