EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Alemanha e Tunísia chegam a acordo sobre migrantes recusados

Alemanha e Tunísia chegam a acordo sobre migrantes recusados
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Angela Merkel avança que a Tunísia concordou em acolher 1500 cidadãos cujos pedidos de asilo foram recusados na Alemanha.

PUBLICIDADE

Angela Merkel avança que a Tunísia concordou em acolher 1500 cidadãos cujos pedidos de asilo foram recusados na Alemanha. Segundo a chanceler alemã, a promessa foi feita durante conversações com o presidente Beji Essebsi, na capital tunisina: “esta questão diz respeito a 1500 tunisinos que vivem lá ilegalmente, foi uma boa iniciativa da parte da Alemanha terem chegado a acordo connosco. Podiam simplesmente expulsá-los. Do nosso lado, tomámos precauções e vamos enviar nossa equipa, para ter a certeza que estas pessoas são tunisinas.”

#Tunisie Tunisie : Angela Merkel promet le retour des touristes alleman… https://t.co/rw6b2ergGF#Tunisia#تونسpic.twitter.com/gFXOQYtStR

— Tunisia Watch ®™ (@Tunisia_Watch) 3 mars 2017

Merkel também disse que o governo alemão vai fornecer 250 milhões de euros de ajuda financeira à Tunísia, para projetos de desenvolvimento. Angela Merkel está debaixo de forte pressão pelas políticas que permitiram a entrada de um milhão de refugiados na Alemanha, nos últimos dois anos. Disse às autoridades da Tunísia que pretende acelerar o processo de repatriação dos pedidos de asilo não aceites. Uma medida que surge após o ataque levado a cabo por um cidadão tunisino – a quem tinha sido negado asilo – num mercado de Natal em Berlim, em dezembro passado que matou 12 pessoas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Angela Merkel faz 70 anos: qual a popularidade da antiga chanceler?

NATO lança centro de comando da Ucrânia na Alemanha

Alemanha "preocupada" com resultados das eleições francesas apesar da derrota da extrema-direita