Eurodeputado polaco arrisca sanções depois de "comentários sexistas" no Parlamento Europeu

Eurodeputado polaco arrisca sanções depois de "comentários sexistas" no Parlamento Europeu
De  Euronews com afp, efe
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Janusz Korwin-Mikke é alvo de um inquérito no Parlamento Europeu depois de ter declarado que as "mulheres devem ganhar menos do que os homens porque são mais fracas, mais pequenas e menos inteligentes

PUBLICIDADE

As mulheres são “mais fracas, mais pequenas e menos inteligentes” do que os homens. Estes comentários sexistas podem valer sanções a um polémico eurodeputado polaco. Janusz Korwin-Mikke, já conhecido por propósitos racistas e antissemitas, é agora alvo de um inquérito no Parlamento Europeu depois de ter declarado quarta-feira, no hemiciclo, que as “mulheres devem ganhar menos do que os homens porque são mais fracas, mais pequenas e menos inteligentes”.

A resposta ao eurodeputado de 74 anos chegou pela voz da espanhola Iratxe Garcia-Perez:

“Segundo as suas teorias, eu não teria o direito de estar aqui como deputada. E sei que lhe custa e que o preocupa que, hoje, as mulheres possam representar os cidadãos em igualdade de circunstâncias com o senhor. Eu venho aqui defender as mulheres europeias de homens como o senhor”, afirmou a eurodeputada socialista.

O inquérito aberto pelo presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, poderá penalizar o deputado polaco com sanções. Os “comentários sexistas” poderão valer uma multa ou até uma suspensão temporária.

Antigo candidato à presidência da Polónia, Korwin-Mikke foi sancionado pelo Parlamento Europeu, no ano passado, por ter comparado a chegada de imigrantes a um “despejo de excrementos” e, em 2015, o deputado de extrema-direita fez mesmo a saudação nazi em pleno hemiciclo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Porto-riquenhos pedem demissão do governador

Tiroteio na Suécia: "Foi ultrapassado novo limite", diz primeiro-ministro

Processo de António Costa desce do Supremo para o DCIAP