Gibraltar não queria o brexit, mas terá de aceitar as regras do jogo

Gibraltar não queria o brexit, mas terá de aceitar as regras do jogo
De  Antonio Oliveira E Silva com REUTERS
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Cerca de 96% dos eleitores do rochedo votam contra a saída da UE, ao contrário da maioria dos britânicos.

PUBLICIDADE

Com Reuters

Gibraltar, enclave britânico em território espanhol, limítrofe com a província andaluza de Cádis, votou quase unanimemente contra a saída da União Europeia – 96% rejeitaram propoista.

Mas a decisão da maioria dos britânicos foi outra e o Reino Unido deverá avançar já no final deste mês de março, com o processo de saída, ao acionar o artigo 50 do Tratado de Lisboa.

Agora, tanto do lado espanhol como do lado do rochedo, domina o medo relativamente ao futuro.

A ligação é muito próxima e vantajosa para os dois lados e teme-se pela futura relação económica entre as duas comunidades.

António José Molina é espanhol e desloca-se a Gibraltar todos os dias para ir trabalhar. Diz que espera que as mudanças sejam conhecidas depressa e que possam continuar a trabalhar:

“A verdade é que há algum medo. Medo porque não sabemos o que vai acontecer. É uma situação com algumas incógnitas. Não sabemos o que nos vão pedir a partir de agora. O mais importante é que as coisas possam resolver-se o antes possível para que podamos continuar a trabalhar como até agora, em paz”, disse Molina à agência Reuters.

Tal como Molina, há muitos residentes espanhóis a trabalhar em Gibraltar. Ocupam empregos fundamentais para as suas famílias.

Por outro lado, os serviços bancários e financeiros do rochedo – essenciais para a economia local – têm a maioria dos clientes em território da UE e da zona euro.

O Governo autónomo de Gibraltar não tem dúvidas. A mudança não será boa. Mas terão de adaptar-se.

Robin Walker MP from DexEUgov</a> is at No 6 for <a href="https://twitter.com/hashtag/Brexit?src=hash">#Brexit</a> meetings w/ Chief Minister <a href="https://twitter.com/FabianPicardo">FabianPicardo & Deputy Chief Minister Garcia. #Gibraltarpic.twitter.com/0VGuZw7FWD

— HM Govt of Gibraltar (@GibraltarGov) 16 de março de 2017

Fabian Picardo, Governador de Gibraltar (Chief Minister), não vê outra opção: “É mau para nós, porque não queremos virar as costas à Europa. Mas são estas as regras do jogo e temos de jogar com elas da melhor forma possível”.

Gibraltar goza de uma economia pujante e em constante crescimento, o que atraiu muitos trabalhadores andaluzes, especialmente nos últimos anos, por causa da crise económica.

Mas a verdade é que os cerca de 30 mil habitantes do rochedo dependem da produção espanhola para satisfazer a necessidade de vários bens.

O turismo e as leis propícias aos negócios, a reduzida carga fiscal e a situação estratégica contribuiram para fazer de Gibraltar uma economia próspera.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Unionistas terminam bloqueio: parlamento da Irlanda do Norte pode retomar atividade no fim de semana

Batalha legal contra as "prisões" temporárias de requerentes de asilo em Inglaterra

Marcha pela reintegração do Reino Unido na União Europeia