EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Auguste Rodin: no centenário da morte, mais de 200 esculturas revivem em Paris

Auguste Rodin: no centenário da morte, mais de 200 esculturas revivem em Paris
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A 17 de novembro de 1917 morria o pai da escultura moderna. No centenário da morte, o Grand Palais apresenta uma exposição grandiosa.

PUBLICIDADE

Passaram cem anos sobre a morte do pai da escultura moderna e esse é o pretexto para um tributo generoso a Auguste Rodin.

Desde quarta feira e até ao final de Julho, o Grand Palais, em Paris, apresenta Rodin. A Exposição do Centenário, numa colaboração entre esta instituição e o Museu Rodin que resulta em mais de 200 obras expostas do artista.

A exibição não se esgota em Rodin e reflecte também a influência do escultor sobre trabalhos de nomes como o de Brancusi, Picasso, Giacometti ou Matisse.

Rodin, l'art du mouvement en cinq sculptures. 3▪“Le Penseur” : une sculpture humaniste https://t.co/PWdWsqpwsfpic.twitter.com/ArA4u1kmq3

— France Culture (@franceculture) 23 mars 2017

Auguste Rodin evidenciou-se pela sensualidade e paixão humana impressas na linguagem corporal das suas esculturas, mas o reconhecimento artístico universal de que goza hoje tardou a chegar.

100 anos após a sua morte, a inspiração de que continua a ser fonte faz de Rodin um “escultor com os olhos postos no futuro”, diz a ministra francesa da cultura, Audrey Azoulay, acrescentando que “O Pensador”, a mais célebre das suas esculturas, se tornou “um verdadeiro embaixador de França”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"The place to be": Art Paris 2024 coloca as galerias de arte francesas no centro das atenções

Artistas emergentes e consagrados para ver na Art Basel

Abertura da Bienal de Veneza marcada pelas guerras