Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Síria: Testemunhos das vítimas do horror do ataque químico em Idlib

Síria: Testemunhos das vítimas do horror do ataque químico em Idlib
Tamanho do texto Aa Aa

As imagens do ataque com armas químicas na cidade de Idlib, na Síria, têm corrido o mundo e provocado reações de revolta e incompreensão. A história de Yousef que perdeu os gémeos de nove meses, a esposa, os irmãos, os sobrinhos, os empregados… representa bem o horror e a desumanização deste conflito:

“Nós enterrámo-los. Eu trouxe o Ahmed e a Aya e enterrei-os com os meus irmãos. Enterrei os meus filhos com as minhas próprias mãos, a minha mulher e os meus irmãos..”.

“Eu costumava charmar-lhes loirinhos. Disse-lhes que nunca os abandonaria. Os meus amores, a minha Aya. Eles deviam estar a abraçar-me assim e a chamar-me…”

Yousef tem 29 anos é dono de uma loja. Em poucos minutos ficou sem a família, sem o vizinhos e sem parte dos seus empregados…

A Associated Press registou o testemunho e o relato de uma professora de 25 anos, Aya:
“peguei no meu filho e saí de casa com o meu marido. No caminho, um camião fez-nos parar e disseram-nos que havia muita gente morta. Saímos imediatamente do carro e dirigimo-nos ao camião. Vimos os nossos familiares, eram todos família, amigos, vizinhos. Nem acredito… meu Deus, as crianças.. Ammar, Aya, Mohammad, e Ahmed, amo-vos todos meus passarinhos… parecem passarinhos. A minha tia Sanaa, o meu tio Yasser, Abdel Kareem, por favor, ouçam-me. Olho para eles e estão mortos… Estão todos mortos. O meu aluno Ibrahim está desaparecido, não sabemos nada dele.”

O ataque matou dezenas de pessoas na terça-feira e deixou inúmeros residentes com problemas respitratórios e queimaduras nos hospitais.
As imagens refletem a dimensão da tragédia e fazem pensar noutro que, em 2013, matou centenas de outras vítimas de uma barbárie que se eterniza.