EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Papa Francisco vai ao Egito apesar do risco

Papa Francisco vai ao Egito apesar do risco
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

É sob o lema: “O Papa da Paz no Egito da Paz” que se realiza a visita do Papa Francisco ao Egito.

PUBLICIDADE

É sob o lema: “O Papa da Paz no Egito da Paz” que se realiza a visita do Papa Francisco ao Egito. É uma visita histórica que gera tanto de espetativas como de apreensão, por causa do clima de tensão interreligioso e dos atentados à igrejas cristãs no país.

Francisco vai estar no Egito nos dias 28 e 29 de abril e tem encontros previstos com a minoria copta, uma comunidade de 0,28% da população egípcia; com o líder da “Igreja Copta Ortodoxa”:http://actualidadereligiosa.blogspot.fr/2011/10/quem-sao-os-coptas.html#.WQDE-DHGDBA,Tawadros II e com o sheik Ahmed al-Tayeb, grande imã de Al Azhar, o maior centro de estudos sunita do mundo.

Já esta semana, o Papa declarava: “Espero que a viagem possa oferecer uma contribuição válida para o diálogo interreligioso com o mundo islâmico e para o diálogo ecuménico com a venerada e amada Igreja Copta Ortodoxa. O Nosso mundo, dilacerado pela violência cega,- que também afligiu o coração da vossa querida terra – precisa de paz, amor e misericórdia”

Confortar os cristão perseguidos no Egito, mas também e sobretudo estreitar relações com o centro al Azhar, que tem 1000 anos de história na promoção do Islão. O Sumo Pontífice da Igreja Católica romana está convencido que o diálogo entre muçulmanos e católicos é agora mais importante do que nunca. Uma visão que está longe de ser partilhada por todo o mundo católico. Os mais conservadores rejeitam o diálogo com o mundo islâmico.

Mas a visita vai mais além. Francisco vai também encontrar-se com o presidente Abdel Fattah al-Sisi. Um encontro no qual o chefe da Igreja deverá abordar a questão dos direitos humanos. O Vaticano não confirma nem desmente esta intenção do Papa, mas refere que “o Santo Padre já teve viagens mais delicadas do que esta”.

Mais delicadas diplomaticamente é possível, mas em termos de segurança, estas 17 horas no Cairo vão ser de alta tensão. O terreno é arriscado, mas o Papa Francisco diz não ter medo e pediu mesmo para se deslocar num carro normal, sem segurança, para poder estar mais próximo das pessoas.

O porta-voz do Vaticano, Greg Burke, afirmou em conferência de imprensa: “O Papa quer dar sinais positivos. Está sereno, não é ingénuo, conhece a situação no Egito, sabe o que tem acontecido com os coptas nos últimos anos, particularmente durante o Domingo de Ramos, mas quer dar também um sinal positivo”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Vestidos de vermelho e branco, milhares de brasileiros celebram o Dia de São Jorge

Gaza na memória dos muçulmanos por ocasião do Eid al-Fitr

Bélgica: Inaugurada a maior mesquita da Valónia