EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Afeganistão: Líder se Partido Islâmico pede aos talibãs que cessem os combates

Afeganistão: Líder se Partido Islâmico pede aos talibãs que cessem os combates
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Gulbuddin Hekmatyar, o líder do Hezb-e-Islami, o Partido Islâmico do Afeganistão, regressou ao país, após um exílio e apelou aos talibãs para que coloquem fim aos combates e iniciem as negociações com

PUBLICIDADE

Gulbuddin Hekmatyar, o líder do Hezb-e-Islami, o Partido Islâmico do Afeganistão, regressou ao país, após um exílio e apelou aos talibãs para que coloquem fim aos combates e iniciem as negociações com o Governo de Cabul, para que se alcance a paz.

#AFG: 'Butcher of Kabul' notorious warlords, ex-prime minister Gulbuddin Hekmatyar returned to public life after 20 years in exile. #AFPpic.twitter.com/LeMkLdhy7d

— shahmarai (@shahmarai) April 29, 2017

As autoridades afegãs saudaram a iniciativa deste antigo senhor da guerra, numa cerimónia de celebração do dia da Vitória Mujahideen, que marca a derrota do Governo de Mohammad Najibullah em 1992.

“Enquanto celebramos o aniversário gulbuddinda vitória da Jihad, no Afeganistão, estamos felizes que o Sr. Gulbuddin Hekmatyar, líder do Hezb-e-Islami, tenha acolhido o pedido de paz do governo afegão. Ele está no seu próprio país, orgulhosamente entre o seu próprio povo. A população afegã acolheu, também, este movimento. Esperamos que este seja um exemplo para os outros”, afirmou o primeiro-ministro afegão Abdullah Abdullah.

Hekmatyar prometeu desarmar os últimos grupos resistentes do seu movimento, de modo a promover a reconciliação.

Por seu lado, os talibãs anunciaram, na sexta-feira, o lançamento da sua ofensiva de primavera, meses após terem conquistado o controlo de parte do território do Afeganistão.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Três turistas espanhóis mortos a tiro no Afeganistão

Começaram os funerais das vítimas do sismo no Afeganistão

Ajuda internacional custa a chegar ao Afeganistão