Última hora

ONG alerta para o "limbo" de milhares de refugiados apátridas na Europa

ONG alerta para o "limbo" de milhares de refugiados apátridas na Europa
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Sem pátria, sem documentos, nem liberdade. Um relatório de uma ONG de defesa dos direitos humanos alerta para o que considera ser o “limbo” de milhares de refugiados apátridas na Europa, detidos durante meses ou mesmo anos, por falta de documentos de identidade.

A organização, que apresentou um relatório sobre o tema em Budapeste, na Hungria, denuncia a negligência das autoridades europeias, por desconfiança ou falta de informação.

Pelo menos 600 mil refugiados encontrar-se-ão nesta situação na Europa, retidos em centros de detenção, sem possibilidade de serem expatriados.

Segundo Chris Nash, diretor da organização:

“A minha organização, a Rede Europeia dos Sem Estado, apresentou um relatório, uma agenda para a mudança que apela aos estados europeus para reformar o sistema de detenção de imigrantes, de forma a identificar pessoas apátridas para pôr fim às detenções arbitrárias e implementar as obrigações ao nível da legislação internacional”.

Mazen Beshtawe, é uma dessas pessoas. Nascido nos territórios palestinianos, o, hoje, embaixador da juventude do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados, aguarda a nacionalidade cipriota, depois de ter escapado da Síria.

“Estivémos num barco com outras 345 pessoas, o objetivo era Itália como escala para atingir a Alemanha, mas o barco estava à beira de afundar-se, foi graças a um navio turístico que conseguimos salvar-nos e alcançar a ilha de Chipre”.

Num manifesto , várias personalidades da sociedade civil de 30 países europeus, denunciam igualmente a forma como alguns países limitam a sua política migratória à construção de centros de detenção de imigrantes.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.