EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Remodelação forçada no governo francês

Remodelação forçada no governo francês
Direitos de autor 
De  Nelson Pereira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Governo francês remodelado na sequência da demissão de três ministros

PUBLICIDADE

Após pouco mais de um mês de rodagem, o governo francês sofreu a primeira remodelação. Uma remodelação forçada pela demissão de três ministros, todos eles do Modem, o partido centrista que apoiou Emmanuel Macron na candidatura à presidência.

A nova composição do gabinete de Edouard Philippe foi anunciada esta quarta-feira pelo secretário-geral do Eliseu, Alexis Kohler.

Todos os ministros e uma secretária de Estado do partido centrista de François Bayrou, MoDem, que apoiou o novo presidente francês Emmanuel Macron, resignaram aos cargos. Em pano de fundo, o alegado envolvimento numa utilização indevida de fundos europeus. O MoDem está a ser investigado pelas autoridades francesas por suspeita de ter havido recurso a fundos da União Europeia para pagar salários a funcionários do partido.

Foi este escândalo que empurrou na segunda-feira à demissão os ministros Sylvie Goulard e Richard Ferrand. Bayrou apresentou a sua carta de demissão ao presidente esta quarta-feira de manhã.

Entram três mulheres para o novo governo. Nicole Belloubet, jurista e membro do Conselho Constitucional desde 2013, substitui François Bayrou no Ministério da Justiça. Florence Parly, antiga secretária de Estado do orçamento no governo de Lionel Jospin, vai ocupar o lugar deixado por Sylvie Goulard à frente do Ministério da Defesa. O cargo de Secretária dos Assuntos Europeus é ocupado por Nathalie Loiseau.

#remaniement
La composition du Gouvernement d’EPhilippePM</a> est en ligne > <a href="https://t.co/yvSiNm86xY">https://t.co/yvSiNm86xY</a></p>— Gouvernement (gouvernementFR) 21 juin 2017

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Legislativas antecipadas mergulham França na incerteza política sem primeiro-ministro no horizonte

Centenas festejam em Paris na noite da segunda volta das eleições francesas

Rassemblement National não terá maioria absoluta, segundo as últimas sondagens