Plano de Saúde anti-Obamacare ameaça 22 milhões de norte-americanos

Plano de Saúde anti-Obamacare ameaça 22 milhões de norte-americanos
De  Francisco Marques
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Relatório independente traça previsão dramática e estima quase 50 milhões de pessoas sem acesso a seguros de saúde em 2026

PUBLICIDADE

Pelo menos 22 milhões de cidadãos americanos poderão vir a perder o respetivo seguro de saúde na próxima década se o plano “Obamacare” for substituído pelo novo plano proposto pelo Senado dos Estados unidos, atualmente dominado pelos Republicanos (52 lugares dos 100 que compõem a câmara).

O aviso partiu do Gabinete Orçamental do Congresso (CBO, na sigla original), uma entidade independente, e levantou críticas e eventuais obstáculos à aprovação do novo plano de saúde desenhado para derrubar o plano de saúde implementado pela anterior Administração norte-americana liderada por Barack Obama.

O relatório estima que logo em 2018, com o novo plano de saúde já apelidado de “Trumpcare”, haverá mais 15 milhões de pessoas sem seguro de saúde. Se o “Obamacare” se mantiver, o relatório estima que, em 2026, haverá apenas 28 milhões de cidadãos sem seguro de saúde contra os quase 50 milhões estimados com o plano proposto pelo Senado.

H.R. 1628, Better Care Reconciliation Act of 2017 https://t.co/ezpP6PRxo7

— CBO Cost Estimates (@USCBOcostest) 26 de junho de 2017

Os senadores moderados revelam preocupação pelos milhões de pessoas que poderão perder o acesso a seguros de saúde, enquanto alguns senadores conservadores consideram que a nova proposta de lei não é suficiente para revogar o “Obamacare”.

Pelo menos quatro senadores republicanos — Ted Cruz, Rand Paul, Ron Johnson e Mike Lee — expressaram oposição à nova legislação proposta pelo Senado.

O líder do Senado, o republicano Mitch McConnell, pretende colocar a proposta a votação ainda antes do feriado de quatro de julho, que assinala a independência dos Estados Unidos. A aprovação não parece, contudo, fácil.

O relatório do Gabinete Orçamental do Congresso “é de fazer cair o queixo”, dizem os Democratas. O líder dos liberais no Senado, Chuck Schumer, alega que “o relatório confirma o que médicos, defensores dos pacientes, democratas e republicanos têm vindo a dizer há semanas”: “o ‘TrumpCare’ vai levar a contrair maiores despesas e menores cuidados, e vai levar dezenas de milhões de americanos a ficar sem qualquer seguro de saúde.”

Em ação promocional do apelidado “Trumpcare”, o vice-presidente Mike Pence realizou uma audiência na Casa Branca com alegadas “vítimas” do “Obamacare”.

Perante a empatia de Mike Pence, as pessoas contaram ter perdido o acesso aos planos de saúde de que gostavam e que as despesas aumentaram com a adesão ao “Obamacare”.

O vice-presidente de Donald Trump agradeceu a partilha das histórias e prometeu, junto com o Presidente e a restante Administração, “não parar até ter o problema resolvido.”

#Obamacare has led to higher costs and fewer health insurance options for millions of Americans. It has failed the American people. pic.twitter.com/xmhT82w3Ii

— The White House (@WhiteHouse) 21 de junho de 2017

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Processo de seleção do júri promete atrasar julgamento de Trump

Trump paga 175 milhões de dólares para evitar apreensão de bens em caso de fraude

Trump diz que não tem dinheiro para pagar caução de 454 milhões de dólares ao tribunal