Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Pelo menos oito detidos em protestos contra reformas de Macri

Pelo menos oito detidos em protestos contra reformas de Macri
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Com Reuters e El Clarín

A polícia argentina dispersou esta quarta-feira cerca de duas centenas de manifestantes que protestavam contra as reformas do presidente Maurício Macri que acusam de responsabilidade pelo aumento da pobreza e da desigualdade no país latino-americano. Pelo menos oito pessoas foram detidas.

Eleito em 2015, Macri, do partido Proposta Republicana (centro-direita), tem a missão de colocar a economia argentina no bom caminho, cuja dívida externa supera os 190 milhões de euros e subiu cerca de 16% em março em relação ao ano passado, segundo o Instituto Nacional de Estatística e Censos (INDEC) – agência argentina de estatística.

No entanto, o presidente tem vindo a enfrentar uma forte oposição a qualquer tipo de reformas no parlamento e nas ruas. Entre as medidas mais polémicas encontra-se o corte de diferentes subsídios, medida cujos críticos definiram como “ataque contra os Direitos Humanos”.




Em Buenos Aires, a polícia dispersou com canhões de água grupos de manifestantes, que a imprensa nacional descreveu como kichneristas – apoiantes da antiga presidente Cristina Fernández de Kirchner, assim como militantes de cerca de 20 plataformas de esquerda, alguns dos quais se envolveram em confrontos com os agentes.

A medida foi tomada, explica o diário El Clarín , depois de as autoridades terem exigido aos manifestantes que pusessem fim ao corte de duas das principais artérias da capital, assim como à circulação do serviço de transportes públicos Metrobus. Os manifestantes queimaram pneus e cobertores nas Avenida 9 de julho.

A Argentina vai a votos dia 22 de outubro deste ano, quando serão eleitos parte dos membros das duas câmaras do Congresso da Nação, a Câmara de Deputados e o Senado.