Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

FMI com mais 50 mil milhões para afastar o fantasma da bancarrota

FMI com mais 50 mil milhões para afastar o fantasma da bancarrota
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Argentina deu a conhecer um novo acordo com o Fundo Monetário Internacional, que prevê uma transferência equivalente a quase 50 mil milhões de euros, parte do acordo do passado mês de junho, na esperança de eliminar a desconfiança dos mercados e impedir o agravamento da queda do peso argentino face ao dólar.

No entanto, as palavras do líder argentino não acalmaram a volatilidade dos mercados e o peso fechou a perder 8,15 % face ao dólar, que se vendia a 34,5 pesos.

A primeira parte do crédito concedido pelo FMI foi aplicada durante uma crise que agitou a economia do país sul-americano e que incrementou o sentimento de incerteza económica e a tensão social.

O primeiro empréstimo, equivalente a quase 15 milhões de euros, serviu para reforçar o orçamento e as reservas do Banco Central argentino. A segunda tranche entende-se como um fundo de reserva, ainda que sem fins definidos.

A diretora do FMI, Christine Lagarde, insistiu na confiança da instituição para com o compromisso assumido pelo Executivo argentino, que fala em reorientação económica.

"Confio em que o forte compromisso e na determinação das autoridades argentinas serão fundamentais para guiar a Argentina através destas difíceis circunstâncias e que fortalecerão a economia em benefício de todos os Argentinos," disse Lagarde, através de um comunicado.

Ainda assim, diz a diretora do FMI, é necessária uma revisão do plano económico argentino, para "fortalecer a Argentina face às recentes mudanças dos mercados financeiros mundiais, através de políticas monetárias e fiscais mais fortes."

Redução do défice é o caminho

O Governo argentino disse, entretanto, que o único caminho para deixar "as turbulências" da economia é a correção dos "desequilíbrios" orçamentais que duram há décadas e que "foram agravados" pelo antigo Executivo de Cristina Ferndández, entre 2007 e 2015.

"Em 70 anos, só alguns foram de equilíbrio orçamental na Argentina. Precisamos de erradicar absolutamente o défice fiscal," disse o ministro da Fazenda e Finanças, Nicolás Dujovne, na Casa Rosada, sede do Executivo.

Nicolás Dujovne adiantou que o Executivo "toma as medidas necessárias para reduzir os desequilíbrios que se arrastam desde há algum tempo," para "aumentar a confiança do mercado e dos investidores."

A crise da lira turca acelerou a desvalorização do peso, iniciada no ano passado, quando os mercados emergentes começaram a sentir a subida das taxas de juro nos Estados Unidos e a fuga de capitais para a maior economia do planeta.

Por isso, o Governo Macri foi obrigado a pedir uma linha de crédito para reduzir, de forma mais rápida, o défice fiscal, e recuperar a confiança dos mercados e investidores.