Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Número três da hierarquia do Vaticano acusado de pedofilia

Número três da hierarquia do Vaticano acusado de pedofilia
Tamanho do texto Aa Aa

Com ABC Australia e Lusa

O​ dirigente da secretaria de Economia do Vaticano, o cardeal australiano George Pell, foi formalmente acusado de crimes de abuso sexual de menores*​ por um tribunal de *Melbourne, no estado de Victoria.

Como responsável das finanças da Santa Sede, George Pell, de 76 anos, é considerado o número três da hierarquia da Igreja, depois do Papa.

Segundo um comunicado da diocese de Sidney, o cardeal Pell deverá voltar ao país “tão depressa quanto possível”, de forma a poder “limpar o seu nome”. O comunicado acrescenta que Pell “voltou a negar todas as acusações.”




Depois das primeiras notícias relacionadas com o caso, o mais alto membro da hierarquia do Vaticano a ser indiciado por crimes relacionados com abuso sexual disse que tudo se tratava de uma “campanha dos media” contra ele.

A polícia australiana diz, no entanto, que são várias as queixas apresentadas contra o clérigo, relacionadas com alegados abusos cometidos nos anos 70.

Segundo o serviço público australiano de radiotelevisão ABC​,​ a Austrália não tem qualquer tratado de extradição com o Vaticano, ainda que o tenha com Itália.

Um cardeal conservador que considera a homossexualidade como “algo errado

​Pell​ foi ouvido três vezes no âmbito da investigação e reconheceu, ​em 2016, que a Igreja cometeu “enormes erros” ao permitir que milhares de crianças fossem violadas por padres.

​Admitiu ter falhado* ao acreditar frequentemente nos padres em detrimento das vítimas que alegaram abusos.

Foi ordenado em 1966 em Roma, regressando, cinco anos depois, à Austrália, onde ascendeu ao topo da hierarquia católica.​ ​Foi sacerdote na cidade de Ballarat entre 1976 e 1980​,​ e arcebispo de Melbourne entre 1996 e 2001, no estado de Victoria, sul da Austrália.




Posteriormente, tornou-se arcebispo de Sydney e, em 2014, foi escolhido pelo papa Francisco para desempenhar a função semelhante à de ministro da Economia do Vaticano para reorganizar a gestão e as finanças da Santa Sé.

​Ficou conhecido pela oposição aos católicos progressistas pela resistência às reformas na Igreja Católica, como no que diz respeito à ordenação de mulheres. Tomou ainda posição contra o divórcio, contra o aborto e recusou fazer a comunhão a ativistas pelos direitos dos homossexuais. ​

​Em 1990, disse que estava consciente da existência da homossexualidade, mas que acreditava tratar-se de algo errado e que, para o bem da sociedade, não deveria ser encorajado. ​