Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

"Brexit": UE e Londres de acordo sobre divergências

"Brexit": UE e Londres de acordo sobre divergências
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A União Europeia quer que o Reino Unido aclare o valor da fatura do “Brexit” quando evoca “divergências fundamentais” ao final da segunda ronda de negociações em Bruxelas.

O negociador da UE pediu a Londres que forneça mais detalhes sobre como pretende garantir os direitos dos cidadãos europeus no Reino Unido e dos britânicos residentes na União Europeia após a saída do bloco comunitário.

Segundo o francês Michel Barnier:

“Há uma divergência fundamental que se mantém sobre a forma de garantir estes direitos e sobre outros pontos como os direitos dos futuros membros da família ou a exportação de certos benefícios sociais. Francamente, do nosso lado não vemos outra forma de garantir a perenidade destes direitos europeus e qualquer referência aos direitos europeus implica o seu controlo por parte do Tribunal de Justiça da UE”.

Londres por seu lado, rejeita reconhecer a mais alta instância jurídica europeia após a saída definitiva da UE.

Para o Secretário de Estado britânico responsável pelo “Brexit”, David Davis:

“Nós conduzimos esta nova ronda de forma construtiva e a bom ritmo, espero que este modelo permita que continuemos a avançar. Michel, o relógio não pára”. “Vim aqui dizer que é importante fazer avanços, identificar as divergências, para poder lidar com elas e encontrar pontos comuns para poder avançar”.

A terceira ronda das negociações inicia-se a 28 de Agosto, com outros temas quentes em cima da mesa, como o futuro estatuto da fronteira entre a República da Irlanda e a Irlanda do Norte, a única ligação terrestre entre a futura União Europeia a 27 e a Grã-Bretanha.

Até lá Bruxelas deixa uma mensagem a Londres, “não haverá uma saída ordenada sem que sejam saldadas todas as contas”.