Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Presidente polaco anuncia veto parcial à polémica reforma judicial

Presidente polaco anuncia veto parcial à polémica reforma judicial
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O presidente polaco cede aos protestos de rua e às ameaças da União Europeia ao anunciar que vai vetar as polémica reformas do Supremo Tribunal e do Conselho Nacional da Magistratura.

O chefe de Estado pronunciou-se pela primeira vez desde que o parlamento e o senado adotaram a nova lei, na semana passada.

Andrzei Duda anunciou que vai reexaminar as propostas que deverão regressar ao parlamento nos próximos dois meses, onde necessitarão de uma maioria de 3/5 (superior àquela detida pelos conservadores eurocéticos do Partido da Liberdade e da Justiça) para serem adotadas.

“A Polónia necessita urgentemente desta reforma judicial e eu sou o primeiro a apoiar esta reforma. Mas vou apoiar uma pequena reforma que vai garantir o bom funcionamento do sistema judicial e de forma que aumente o sentido da Justiça na Polónia”, afirmou Duda.

O presidente rejeitou, no entanto, vetar uma terceira medida que atribui ao ministro da Justiça o poder de nomear e exonerar juízes de tribunais locais. Um gesto que levou a Plataforma Cívica, a oposição de centro-direita a considerar o veto do chefe de estado como “insuficiente”.

No Domingo, milhares de pessoas tinham voltado a manifestar-se em Varsóvia para denunciar o que consideram ser uma violação do princípio de separação de poderes. A nova lei permitia que o responsável da Justiça pudesse influir diretamente na escolha dos juízes do Supremo, uma medida justificada pelo governo como uma forma de “combater a corrupção”.

A Comissão Europeia deverá examinar a situação durante uma reunião esta quarta-feira, depois de ter ameaçado impor sanções à Polónia por violação da normativa europeia sobre o respeito do Estado de Direito.