EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Drone lusófono até refeições quentes entrega

Drone lusófono até refeições quentes entrega
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Projeto de dois brasileiros está a ser desenvolvido numa incubadora da Universidade do Porto, é financiado pela Agência Espacial Europeia e revela potencial humanitário.

PUBLICIDADE

Entregar medicamentos ou bens alimentares em zonas de difícil acesso como pequenas localidades ou habitações isoladas por incêndios, inundações ou terramotos está agora mais fácil.

Uma “start-up” portuguesa incubada no Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto (UPTEC) e financiada pela Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla original) desenvolveu um serviço inovador de entregas com recurso a drones que permite muito mais do que apenas vigiar ou filmar localizações sensíveis.

We are at #Lis17 showing our #DroneDelivery service. Pass by to talk about it. pic.twitter.com/A2BiMqHJIi

— Connect Robotics (@ConnectRobotics) 6 de junho de 2017

A euronews contactou a Connect Robotics e falou com um dos dois engenheiros brasileiro fundadores do projeto. Eduardo Mendes, mestre em engenharia mecânica, explicou-nos que o serviço proposto permite, para já, entregas rápidas numa distância limitada a 12 quilómetros (incluindo o regresso à base) e com uma poupança a rondar os 50 por cento relativamente aos tradicionais serviços de entrega urbanos como as motocicletas.

Em dezembro do ano passado, a Connect Robotics deu que falar quando concretizou a primeira entrega de uma refeição. Intitulado na página oficial do projeto como a “marmita voadora”, a experiência resultou de uma parceria com a Santa Casa da Misericórdia e a Câmara Municipal de Penela. O septuagenário Joaquim dos Reis, o último morador de Podentinhos, uma aldeia remota do concelho de Penela, foi o feliz destinatário de uma refeição acabada de fazer a uns quilómetros de distância.

“We can reduce costs by 40–60% with respect to conventional couriers”. Flying Kettle by ConnectRobotics</a> <a href="https://t.co/2KkGRCGST1">https://t.co/2KkGRCGST1</a> <a href="https://t.co/fYw4KEOPDG">pic.twitter.com/fYw4KEOPDG</a></p>— ESA BIC Portugal (esabicportugal) 31 de julho de 2017

Podentinhos situa-se a cinco quilómetros de Penela, concelho vizinho do recentemente trágico Pedrógão Grande, onde um incêndio de grandes dimensões provocou a morte de mais de 60 pessoas e deixou muitas outras isoladas pelas chamas durante dias. O acesso rodoviário de Penela a Podentinhos não é fácil e cumpre-se em cerca de meia hora.

Após ter sido preparada e encaixada no drone, a entrega foi concluída em pouco mais de três minutos. Pelo artigo publicado esta segunda-feira sobre o projeto da Connect Robotics, a ESA percebe-se que a refeição ainda chegou quente às mãos do senhor Joaquim.

O potencial do projeto é tal que a experiência mais recente envolveu, em Lisboa, a parceria com a maior empresa de entregas do país, os CTT – Correios de Portugal.

Após autorização da Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC) e voando a 30 metros de altitude numa capital europeia conhecida por ter o aeroporto próximo do centro, o drone evitou as filas de trânsito que atrapalham os tradicionais serviços de entrega, incluindo os moto estafetas, e entregou a encomenda em tempo recorde: sete minutos para cumprir os três quilómetros que separam o centro de distribuição dos correios, em Cabo Ruivo, e a sede dos CTT, no Parque das Nações.

ConnectRobotics</a>, startup do <a href="https://twitter.com/uptecporto">uptecporto, faz demonstração de entregas por drone aos CTThttps://t.co/hGJFdfMDVbpic.twitter.com/wHyjM2Tbf1

— UPTEC (@uptecporto) 22 de maio de 2017

Os drones são adquiridos pela Connect Robotics a fabricantes especializados. No caso da experiência de Penela, foi um aparelho hexa rotor (seis braços motorizados) adquirido à Sleek Lab, de Coimbra. O projeto financiado pela ESA centra-se no programa informático de navegação que é aplicado aos drones.

A precisão geográfica é garantida pelo Galileo, o sistema europeu de geolocalização por satélite. Os drones recebem as instruções das entregas e voam de forma autónoma. Ao aterrar no local determinado, libertam a carga e regressam de imediato à origem, onde a bateria será recarregada antes de uma nova tarefa.

After 4 years & 189 notices, the ESA</a> team keeping <a href="https://twitter.com/hashtag/satnav?src=hash">#satnav</a> users updated on <a href="https://twitter.com/hashtag/Galileo?src=hash">#Galileo</a> are passing duties to <a href="https://twitter.com/EU_GNSS">EU_GNSShttps://t.co/zRaeE88YEzpic.twitter.com/IiMplL30CI

— ESA Technology (@ESA_Tech) 18 de julho de 2017

Os drones utilizados nestas duas experiências são os que garantem os custos mais baixos. Apenas podem transportar até 2,5 quilogramas e têm uma autonomia reduzida, por isso as distâncias destas primeiras entregas de baixo custo estão limitadas aos 12 quilómetros (seis em cada sentido) e, com o regresso à base incluído, podem demorar até 20 minutos.

Se a necessidade do cliente for superior, outro tipo de drones mais resistente e de maior autonomia pode ser utilizado com o programa informático de navgação da Connect Robotics. Os custos serão, obviamente, maiores, avisa Eduardo Mendes.

A potencialidade deste projeto, acrescenta a ESA, inclui o transporte de bens de sobrevivência para regiões em crise, a ajuda a pessoas em situações críticas e a redução do isolamento de habitantes em regiões remotas.

Vanuatu trials drones to deliver vaccines to remote islands https://t.co/4mF3h3fxDKthinink</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/resilience?src=hash">#resilience</a> <a href="https://t.co/8755qRdyti">pic.twitter.com/8755qRdyti</a></p>— Thomson Reuters Fdn (TR_Foundation) 14 de junho de 2017

A “start up” lusófona, que conta também com o paulista Raphael Stanzani, engenheiro de gesto industrial, tem já em mãos dois contratos, está em processo de negociar as autorizações de voo com a ANAC para cumprir os serviços solicitados, um deles ligado ao setor da Saúde e ao transporte de medicamentos.

A internacionalização está nos planos da empresa, mas para já a prioridade é consolidar o projeto em Portugal e testar ao máximo as potencialidades do sistema de navegação aplicado a estes drones de carga.

Lisbon occupies the fourth position in the ranking https://t.co/1zwcei8R2D#startuplx#madeoflisboa

— Startup Lisboa (@STARTUPLISBOA) 4 de julho de 2017

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Singapore Airlines oferece indemnização aos passageiros de voo que sofreu turbulência

Novo incidente de turbulência fere 12 pessoas em voo com destino à Irlanda

TIJ ordena a Israel abertura de passagens para entrega de ajuda em Gaza