Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Constitucional rejeita recurso contra Isabel dos Santos como presidente da Sonangol

Constitucional rejeita recurso contra Isabel dos Santos como presidente da Sonangol
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

(Com Lusa)

O Tribunal Constitucional angolano rejeitou o recurso apresentado por um grupo de 12 advogados nacionais, contestando a nomeação de Isabel dos Santos para presidente da petrolífera Sonangol pelo pai e chefe de Estado, José Eduardo dos Santos.

Segundo o acórdão daquele tribunal, ao qual a Lusa teve hoje acesso – de 24 de agosto – dia seguinte às eleições gerais angolanas – em causa está a providência cautelar interposta em junho de 2016, aquando da nomeação.

Os advogados pretendiam suspender a decisão (ato administrativo do chefe de Estado), alegando violação da lei da Probidade Pública, mas que foi recusada no Tribunal Supremo.

Invocando “falta de preenchimento dos requisitos legais”, o Tribunal Constitucional indefere o pedido de suspensão de eficácia do ato administrativo.

Refere ainda que “não constatou” que o Tribunal Supremo “tenha incorrido em alguma inconstitucionalidade no julgamento que fez sobre a inexistência dos requisitos necessários ao decretamento da providência requerida.

Filha de Santos disponível para prestar todo e qualquer esclarecimento

Isabel dos Santos tomou posse como presidente do conselho de administração da Sonangol em junho de 2016 e manifestou crença na Justiça e na existência da legalidade em Angola, estando disponível para prestar “todo e qualquer esclarecimento”.

A decisão sobre o processo chegou a 22 de dezembro, com o Tribunal Supremo a indeferir a ação, considerando legal a nomeação de Isabel dos Santos para presidente do conselho de administração da Sonangol.

O mesmo grupo de advogados recorreu, seis dias depois, para o Tribunal Constitucional, que levou oito meses a analisar o pedido, sendo este o último recurso possível deste processo.

O princípio da celeridade processual foi igualmente invocado neste recurso para o Constitucional, tendo em conta os mais de seis meses que o Tribunal Supremo levou para decidir a providência cautelar.