Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Putin quer diálogo e não sanções face a Pyongyang

Putin quer diálogo e não sanções face a Pyongyang
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Coreia do Sul e o Japão são frente comum na vontade de ver a Coreia do Norte pressionada até ao limite por sanções internacionais depois da recusa de Pyongyang de parar testes nucleares, mas esbarraram numa convicção diferente: a de Vladimir Putin.


O Presidente da Rússia encontrou-se esta quinta-feira com Shinzo Abe em Vladivostok, à margem de uma feira internacional. O primeiro-ministro japonês viu rechaçadas as intenções de convencer o Kremlin a optar por sanções através do Conselho de Resolução da ONU. O posicionamento da Rússia mantém-se mais afastado de sanções do que de um plano de cooperação económica, antecedido por um processo diplomático que permita o recrudescer de tensão e a negociação da suspensão do programa nuclear norte-coreano, sem deixar de reconhecer a ameaça implícita na atuação de Pyongyang:

“Resolver a situação na Península Coreana, e em especial a solução para o problema nuclear, é possível apenas através dos recursos político-diplomáticos. Primeiro é necessário apaziguar tensões, em geral, e depois começar um diálogo entre todas as partes interessadas, como se propõe no plano negocial gradual russo-chinês.”

Vladimir Putin admite a provocação dos testes nucleares e desenvolvimento de mísseis balísticos por parte de Pyongyang, mas nega que seja loucura. É, diz, antes uma ação consistente que espera e persegue uma reação. A pergunta que deixou à Coreia do Sul e ao Japão foi: “Por que entram nesse jogo?”

O bloco chino-russo a propor um jogo que os Estados Unidos rejeitam por enquanto, apesar da recente aquiescência da China na utilização de sanções através da ONU.