EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Hungria disposta a luta política contra quotas migratórias da UE

Hungria disposta a luta política contra quotas migratórias da UE
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Hungria recusa aceitar a imposição de quotas migratórias, acordadas em 2015 aquando da crise de migrantes na Europa mediterrânica

PUBLICIDADE

Primeiro foi o desafio legal, agora o desafio político da Hungria à União Europeia.

Viktor Orban afirma não mudar a posição do país face às quotas de migrantes: a Hungria não as aceita.

Em declarações à rádio estatal esta sexta-feira, o primeiro-ministro húngaro afirmou que “o fundamento da União Europeia, é o respeito pela lei e não pode ser corroído”. Mas, “ao mesmo tempo”, disse, a deliberação do Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) de rejeitar o recurso da Hungria e da Eslováquia contra a quota migratória acordada em 2015 em plena crise de migrantes na europa mediterrânica, “não é motivo para mudarmos a nossa política, que rejeita migrantes.”

#Hungary‘s PM Viktor #Orban sent another letter to JunckerEU</a>, calling his interpretation of solidarity "violence".<a href="https://t.co/UYK49dJnTM">https://t.co/UYK49dJnTM</a> <a href="https://t.co/WSmaGA3s3i">pic.twitter.com/WSmaGA3s3i</a></p>— Hungary Journal (hungary_journal) September 7, 2017

O líder nacionalista beneficia internamente desta inflexibilidade na aceitação das quotas migratórias de cumprimento obrigatório no âmbito da União Europeia, numa altura em que as eleições de 2018 estão à vista.

Depois de falhado o recurso legal ao TJUE, Orban não hesita em declarar que encetará uma luta política para a alteração das quotas migratórias obrigatórias.

Orban disse ainda que a Hungria não pode ser excluída da União Europeia, porque a adesão ao bloco em 2004 foi decisão do povo húngaro, num referendo.

“Hungary is not an immigrant country and does not want to become one” – PM #Orban ‘s letter to JunckerEU</a> <a href="https://t.co/QW9jY6VtVi">https://t.co/QW9jY6VtVi</a> <a href="https://t.co/7GGpkPnu7e">pic.twitter.com/7GGpkPnu7e</a></p>— Zoltan Kovacs (zoltanspox) September 7, 2017

Numa carta de resposta ao Presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, Viktor Orban escreve que a criação de uma ligação entre a questão da imigração e a coesão fundadora da União Europeia era contra as regras da UE e “imoral”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Orbán quer "pelo menos 500 milhões" para as cercas de proteção fronteiriça

Acidente na Hungria com veículo que transportava migrantes

Requerentes de asilo: a República de Chipre numa encruzilhada