Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

"Relógio biológico" vale Prémio Nobel da Medicina

"Relógio biológico" vale Prémio Nobel da Medicina
Tamanho do texto Aa Aa

Os norte-americanos Jeffrey C. Hall, Michael Rosbash e Michael W. Young, foram os vencedores do Prémio Nobel da Medicina pelas investigações relativas ao ritmo cicardiano.


As descobertas explicam como é que plantas, animais e seres humanos adaptaram o seu ritmo biológico para o sincronizarem com a rotação do planeta – o chamado ciclo circadiano, nome derivado das palavras latinas circa, que significa “em redor” e dies que significa “dia”.

Segundo o porta-voz do comité Nobel, os três investigadores norte-americanos foram distinguidos pelas “descobertas dos ritmos moleculares que regulam o ciclo circadiano”, que dura um dia e permite aos seres vivos adaptarem-se às diferentes alturas do dia e da noite.


O ritmo circadiano representa o período de 24 horas no qual se completam as atividades do ciclo biológico dos seres vivos. Uma das funções deste sistema é o ajuste do relógio biológico, controlando o sono e o apetite.


No ano passado, o Nobel da Medicina tinha sido atribuído ao japonês Yoshinori Ohsumi pelas investigações sobre a autofagia.

Os prémios Nobel, criados em 1895 pelo químico, engenheiro e industrial sueco Alfred Nobel – inventor da dinamite – foram atribuídos pela primeira vez em 1901.

Até hoje foram atribuídos 108 prémios Nobel da Medicina e em, apenas, 39 vezes foram entregues a um único laureado.

Até hoje, 12 mulheres receberam o Prémio Nobel da Medicina.

O mais novo laureado com este Nobel foi Frederick G. Banting, de 32 anos de idade, que foi distinguido em 1923 pela descoberta da insulina.