Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Conselho Executivo da UNESCO escolhe Audrey Azoulay como nova diretora-geral

Conselho Executivo da UNESCO escolhe Audrey Azoulay como nova diretora-geral
Tamanho do texto Aa Aa

A ex-ministra da Cultura francesa, Audrey Azoulay, foi eleita como diretora-geral da UNESCO pelo Conselho Executivo da organização, ao derrotar, na votação final, o qatari Hamad bin Abdulaziz.

Azoulay obteve 30 votos dos 58 que compõem o Conselho executivo, devendo assim substituir a búlgara Irina Bokova, que ocupou o cargo nos últimos oito anos.

Audrey Azoulay é especialista em cinema. Avançou com a candidatura para a liderança da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura à última hora, em março passado, ao argumentar que “a França tem grande legitimidade na cultura, educação e nas ciências”.

No decurso da sua campanha citou mesmo o estadista francês e figura do socialismo, Léon Blum (1872-1950), para quem a UNESCO deveria ser “a consciência das Nações Unidas”.

No entanto, apenas se dedicou totalmente à candidatura após ter abandonado o ministério, na sequência da vitória de Emmanuel Macron nas eleições presidenciais de maio.

Uma vida franco-marroquina

Audrey Azoulay nasceu em agosto de 1972 em Paris, numa família judia marroquina natural de Essaouira. O seu pai é o banqueiro e homem político André Azoulay, conselheiro do atual rei de Marrocos, como foi de seu pai, Hassan II. A sua mãe é a mulher de letras Katia Brami.

A eleição de Audrey Azoulay só deve ficar confirmada a 10 de novembro com a votação de todos os Estados membros da organização.

Uma escolha feita em tempo de crise para a UNESCO

A eleição da nova diretora-geral quase coincidiu com a decisão dos Estados Unidos, o principal aliado de Israel, em abandonar a UNESCO, ao acusar a organização de posições “anti-israelitas”.

O Departamento de Estado dos EUA disse, na quinta-feira, que a saída entrará em vigor a 31 de dezembro de 2018.

Os Estados Unidos suspenderam em 2011 o seu financiamento da Unesco devido à votação da organização para incluir a Palestina como membro.

Atualmente, Washington deve cerca de 465 milhões de euros à instituição.

Pouco depois do anúncio de Washington, Telavive também anunciou que se vai retirar da UNESCO devido ao “preconceito” anti-israelita que imputa à instituição, e que considera ter-se tornado num “teatro do absurdo”.

Com Lusa