Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Conservadores passam sociais-democratas na Áustria

Conservadores passam sociais-democratas na Áustria
Tamanho do texto Aa Aa

É o mais novo chanceler da Áustria, aos 31 anos, e o mais novo líder europeu, depois de ter sido o mais novo ministro austríaco dos negócios estrangeiros, aos 27.

Sebastian Kurz garantiu a vitória do conservador Partido Popular nas eleições legislativas deste domingo, longe da maioria e perto do esforço seguinte de formar coligação governamental. Se é com os sociais democratas ou se é com a extrema direita, Kurz ainda não diz:

“Tornámos o impossível possível, obrigado pelo vosso empenho e por este acontecimento histórico.
É tarefa nossa falar com todos os outros, pelo nosso país, para que ele mude pela positiva.”

Os sociais democratas do chanceler cessante Christian Kern têm por agora o segundo lugar, 26.9 por cento dos 87% de votos já contados, muito perto da extrema-direita do FPÖ.
Na noite de domingo, Kern declarou:

“Vemos com estas eleições que tivemos uma mudança maciça para a direita neste país; aqui, nos últimos 24 meses, talvez até mais, houve uma permanente e brutal agenda política de direita fixada pelos partidos políticos… mas…. francamente… não podemos excluir os media…”. A chuva de aplausos por parte do público interrompeu-lhe o discurso.

A extrema-direita do FPÖ e Heinz Christian Strache têm 26% dos votos, num terceiro lugar ainda sem resultados finais, renhido com os sociais democratas.

O tema da migração impôs-se na campanha, com os conservadores a adoptarem um discurso chegado à extrema-direita e a serem acusados por ela de lho terem roubado. Parece ter compensado: Kurz deu um novo fôlego e 31.6 por cento dos votos ao partido conservador.

A Áustria tornou-se porta de entrada para a Alemanha para mais de um milhão de pessoas durante a crise migratória que começou em 2015.