Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Jornalistas manifestam-se em Valeta contra assassinato de Galizia

Jornalistas manifestam-se em Valeta contra assassinato de Galizia
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Um grupo de jornalistas malteses reuniu-se diante do edifício do parlamento, em Valeta, para protestar contra o assassinato da repórter Daphne Caruana Galizia com recurso a carro armadilhado.

Centenas de profissionais de diferentes medias malteses gritaram palavras de ordem a favor da liberdade de imprensa e exibiram páginas de jornais com tinta vermelha, que simulava sangue.

Os filhos de Daphne Caruana Galizia exigiram, por outro lado, que o primeiro-ministro maltês, Joseph Muscat, apresentasse a demissão.

O diretor de redação do site Times of Malta, Herman Grech, foi um dos jornalistas presentes. Disse à Agência France Presse que aquele tinha sido um dos “atos mais desprezíveis alguma vez cometidos” em Malta.






“Ninguém merece morrer por ter exercido a liberdade de expressão”, disse o diretor do Times of Malta.

“Estamos aqui para dar esperança à sociedade. Este ataque contra um de nós não vai impedir que façamos luz onde existe a penumbra”, continuou.

“Não vamos ceder a esta intimidação (…) não temos medo”, concluiu Herman Grech.

Os jornalistas marcharam depois até ao Palácio da Justiça, onde entregaram um pedido para que Malta proteja as fontes da jornalista e blogger, para que os seus contactos permaneçam a salvo de possíveis contactos.

Uma “jornalista wikileaks”

Conhecida por ser, ela própria e sem a ajuda de ninguém, “uma jornalista-wikileaks”, Daphne Caruana Galizia fica para história recente de Malta como militante anti-corrupção, depois de ter revelado vários escândalos. Daphne Caruana Galizia foi morta com recurso a um carro armadilhado, aos 53 anos, na passada segunda-feira.

Todos os jornais malteses, incluidos os que se encontram diretamente ligados a partidos políticos, decidiram publicar a mesma manchete sobre o caso no próximo domingo, manchete que será também difundida por canais de televisão e páginas digitais de informação.

Uma onda de indignação internacional

O assassinato de Caruana Galizia provocou uma onda de indignação em Malta e um pouco por todo o mundo. A jornalista deu a conhecer os laços existentes entre os jogos de azar em linha e as chamadas sociedades offshore.

Um fenómeno que parece ser o outro lado do forte crescimento económico de Malta e que esconderia, segundo alguns media, uma rede de crime organizado bem implementada no arquipélago.

Espera-se que uma nova manifestação tenha lugar no domingo, um encontro também organizado por jornalistas e que deverá contar com milhares de pesssoas, com o objetivo de exigir justiça e liberdade de expressão.


Com AFP