Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Parlamento da Catalunha decide independência

Parlamento da Catalunha decide independência
Tamanho do texto Aa Aa

O Parlamento regional da Catalunha discute, esta sexta-feira (27 de outubro), se declara ou não a independência unilateral da região.

O presidente do Governo regional afastou a possibilidade de convocar eleições antecipadas, alegando não ter recebido garantias do Governo Central de que o Artigo 155 seria travado. Carles Puigdemont confiou ao hemiciclo catalão a resposta à suspensão da autonomia decidida por Madrid.


“Em resposta à agressão, que é a aplicação do Artigo 155 da Constituição, nós continuamos a seguir o mandato que povo da Catalunha nos deu no referendo de 1 de outubro”, afirma o porta-voz da coligação “Junts Pel Si”, Lluis Corominas.

O afastamento da possibilidade de eleições antecipadas levou à demissão de Santi Vila. O conselheiro regional com a pasta da Indústria foi uma das vozes mais fortes contra a declaração unilateral de independência.

A dirigente do Partido Ciudadanos na Catalunha, Inés Arrimadas, defende que “nem o processo de Kafka foi tão kafkiano como o processo do senhor Puigdemont. Isto é ridículo e horrendo. Já chega, senhor presidente.”

Os avanços e recuos de Carles Puigdemont provocaram cisões entre a coligação independentista que suporta o Governo regional.

Na quinta-feira, dois deputados do Partido Democrático Europeu Catalão, de Puigdemont, demitiram-se por discordarem com a possibilidade de eleições antecipadas.

A enviada da euronews à Catalunha refere que “depois de outro dia de máxima incerteza e tensão, no bloco independentista, fica tudo em aberto. Teremos que esperar para ver como é que o Parlamento catalão responde à aplicação do artigo 155”.