Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Grupos europeus não protegem refugiados

Grupos europeus não protegem refugiados
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Segundo o Centro de Recursos Empresariais e de Direitos Humanos, algumas das empresas de retalho, alimentar e de vestuário, da Europa continuam a não ser capazes de travar o abuso de refugiados sírios que trabalham nas fábricas turcas.

Entre os principais infratores, das 37 marcas europeias analisadas, estão, na área do vestuário estão a Topshop, e as restantes marcas do grupo Arcadia e do ramo alimentar o Aldi. Já a Zara, ASOS, Next, New Look ou SuperDry, e segundo o relatório, foram as melhores posicionadas.

O Centro de Recursos Empresariais e de Direitos Humanos pede aos referidos grupos e empresas que encontrem formas de proteger melhor os refugiados que fugiram da guerra mas que acabam a ser explorados. A organização fala de salários baixos, discriminação, condições precárias e em exploração do trabalho infantil.

Apesar dos pesares o organismo conclui que se está a fazer mais, este ano em relação ao anterior, para resolver este problema.

Cerca de 650 mil pessoas trabalham na Turquia, muitas na indústria da confeção, a maioria não tem autorização para trabalho, o que as deixa em maior risco de abusos.