Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Guterres preocupado com tensão entre Beirute e Riade

Guterres preocupado com tensão entre Beirute e Riade
Tamanho do texto Aa Aa

Apenas de visita ou a residir no Líbano, centenas de cidadãos dos estados do Golfo partiram esta sexta-feira de Beirute. Vários governos aconselharam o abandono do país na sequência da escalada de tensão com a Arábia Saudita.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, não esconde a preocupação perante os desenvolvimentos: “Estamos realmente muito preocupados. Queremos que a paz seja preservada no Líbano. É essencial que não surja mais nenhum conflito na região. Isso poderá ter consequências devastadoras.”

O primeiro-ministro libanês, Saad al-Hariri, apanhou tudo e todos de surpresa ao anunciar a demissão no sábado passado, a partir de Riade, capital da Arábia Saudita.

Numa declaração televisiva disse que o Líbano está refém do Hezbollah, parceiro do Governo de coligação e inimigo da Arábia Saudita.

O líder do movimento xiita, apoiado pelo Irão, acusou esta sexta-feira Riade de declarar guerra ao Líbano e de tentar destabilizar a correlação de forças no país.

“Se o problema da Arábia Saudita é com o Irão, porque é que estão a atacar o Líbano. Para provar que têm influência? Reconhecemos que têm influência, mas estão enganados se pensam que podem derrotar a resistência no Líbano ou os partidos políticos que recusam compactuar com a vontade, condições e humilhação deles”, disse Sayyed Hassan Nasrallah, líder do Hezbollah, num discurso transmitido pela televisão libanesa.

Sem aviso prévio, o presidente francês, Emmanuel Macron, aterrou quinta-feira em Riade para sublinhar a importância da estabilidade no Líbano para toda a região.