Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Polícia põe fim a bloqueio de militantes radicais

Polícia põe fim a bloqueio de militantes radicais
Tamanho do texto Aa Aa

O executivo do Paquistão pediu ao exército para restabelecer a ordem em Islamabade, onde continuam os confrontos entre polícia e islamistas radicais. Há pelo menos um morto e duas centenas de feridos. A polícia iniciou, na noite de sexta-feira, uma operação para acabar com o bloqueio a uma estrada que liga a capital a Rawalpindi. Desde o início do mês que esta via estava intransitável. Para os habitantes locais o fim do bloqueio é muito positivo:

“Esta ação contra estes manifestantes é uma boa ação do governo, pelo menos agora as estradas vão estar desimpedidas. Os habitantes estavam a ter problemas, alguns doentes morreram porque a estrada estava bloqueada. Os transportes públicos não estavam a funcionar”, adianta um morador, Mohammad Javed.

As autoridades tinham dado até à meia-noite de sexta-feira para que os manifestantes dispersassem, findo esse prazo, a polícia iniciou a operação que terminou com dezenas de detenções e violência.

O protesto aconteceu em resposta a um apelo do partido Tehreek-i-Labaik Ya Rasool Allah, que exigia a demissão do ministro da Justiça que fez referência ao profeta Maomé num recente decreto constitucional.

Os manifestantes iniciaram o protesto em meados deste mês, em resposta ao apelo do pequeno partido Tehreek-i-Labaik Ya Rasool Allah, exigindo a demissão do ministro da Justiça, na sequência de uma referência ao profeta Maomé num recente decreto constitucional.

O Tehreek-i-Labaik foi criado depois da execução de Mumtaz Qadri, condenado à morte pelo assassinato de Salmaan Taseer. O antigo governador da província do Punjab foi morto depois de defender uma cristã, Asia Bibi, condenada à morte por blasfémia, e por pedir alterações à lei.