Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Grécia prepara-se para visita história de Erdoğan

Grécia prepara-se para visita história de Erdoğan
Tamanho do texto Aa Aa

Dois países separados pelo mar Egeu e uma rivalidade histórica voltam a encontrar-se, quinta e sexta-feira, com a visita oficial do presidente turco Recep Tayyip Erdoğan à Grécia. Mesmo se os dois países são aliados na NATO, há ainda muitas questões a dividi-los, de disputas territoriais à questão de Chipre. A questão migratória é também um dos temas fulcrais do encontro.

As diplomacias dos dois países estão apostadas em criar pontes: "A expansão dos canais de comunicação e o desenvolvimento de uma agenda positiva entre os dois países numa altura em que há dificuldades são os temas que podem trazer múltiplos benefícios para o país. O diálogo e a diplomacia produzem sempre resultados", diz o vice-ministro grego dos Negócios Estrangeiros, Ioannis Amanatidis.

Dos vários temas, a questão de Chipre é a mais espinhosa. As últimas conversações para a reunificação da ilha fracassaram. Nicos Christodoulides, porta-voz do governo cipriota, acredita que o encontro pode significar um avanço importante: "Esperamos que a Turquia responda à posição do governo grego de maneira a começar um diálogo significativo entre os dois países, para que através deste diálogo se veja se é necessário, ou não, preparar uma nova conferência sobre Chipre".

É a primeira visita de Erdogan à Grécia desde que era primeiro-ministro, em 2010, e primeira em várias décadas de um chefe de Estado turco. Os preparativos para a visita do presidente turco à Grécia duraram sete meses: "Atenas e Ancara falam de um evento histórico, porque Recep Tayyip Erdoğan é o primeiro presidente da Turquia a visitar a Grécia em 65 anos. Apesar dos diferendos, os dois países estão determinados em manter os canais de comunicação abertos e acreditam que esta é a única forma de discutir e resolver possíveis problemas", conclui o correspondente da euronews em Atenas, Akis Tatsis.